Incêndio de Monchique está "globalmente estabilizado", diz Proteção Civil

Balanço indica que existem 39 feridos, 21 dos quais são bombeiros. Só uma pessoa está ferida com gravidade.

O incêndio que lavra há sete dias na serra de Monchique está "globalmente estabilizado" e sem frentes ativas, garantiu hoje Patrícia Gaspar, segundo-comandante da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), que assumiu o comando das operações. A responsável atualizou para 39 o número de feridos resultantes do incêndio de Monchique, no Algarve, dos quais 21 são bombeiros, registando-se apenas um ferido grave.

Na página oficial da ANPC, o incêndio deixou de ter frentes ativas na descrição do ponto da situação. É revelado que participam no combate às chamas 1437 operacionais, apoiados por 461 viaturas e sete meios aéreos.

A responsável da ANPC revelou também que começou hoje a ser preparado a regresso a casa das 299 pessoas deslocadas das suas habitações dos concelhos de Monchique, Portimão e de Silves, operação que decorre conjuntamente com a Segurança Social, a Cruz Vermelha, o INEM e as autarquias.

"Houve pessoas que espontaneamente já regressaram às suas habitações e aquilo que nós queremos garantir é que este regresso se faça de forma ordeira e, sobretudo, em segurança. Temos de evitar precipitações", afirmou Patrícia Gaspar.

De acordo com a responsável, no concelho de Silves, a zona de apoio à população já foi desativada, em Portimão está em processo de desmontagem, e neste último caso a maioria das pessoas são oriundas do concelho de Monchique.

Fogo em Vinhais

Na página da ANPC há agora uma segunda ocorrência definida como importante. É um incêndio em Vinhais, distrito de Bragança, na localidade de Agrochão, onde estão 95 bombeiros com 30 viaturas. O incêndio lavra desde a meia-noite e tem uma frente ativa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.