Incêndio de Monchique está "globalmente estabilizado", diz Proteção Civil

Balanço indica que existem 39 feridos, 21 dos quais são bombeiros. Só uma pessoa está ferida com gravidade.

O incêndio que lavra há sete dias na serra de Monchique está "globalmente estabilizado" e sem frentes ativas, garantiu hoje Patrícia Gaspar, segundo-comandante da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), que assumiu o comando das operações. A responsável atualizou para 39 o número de feridos resultantes do incêndio de Monchique, no Algarve, dos quais 21 são bombeiros, registando-se apenas um ferido grave.

Na página oficial da ANPC, o incêndio deixou de ter frentes ativas na descrição do ponto da situação. É revelado que participam no combate às chamas 1437 operacionais, apoiados por 461 viaturas e sete meios aéreos.

A responsável da ANPC revelou também que começou hoje a ser preparado a regresso a casa das 299 pessoas deslocadas das suas habitações dos concelhos de Monchique, Portimão e de Silves, operação que decorre conjuntamente com a Segurança Social, a Cruz Vermelha, o INEM e as autarquias.

"Houve pessoas que espontaneamente já regressaram às suas habitações e aquilo que nós queremos garantir é que este regresso se faça de forma ordeira e, sobretudo, em segurança. Temos de evitar precipitações", afirmou Patrícia Gaspar.

De acordo com a responsável, no concelho de Silves, a zona de apoio à população já foi desativada, em Portimão está em processo de desmontagem, e neste último caso a maioria das pessoas são oriundas do concelho de Monchique.

Fogo em Vinhais

Na página da ANPC há agora uma segunda ocorrência definida como importante. É um incêndio em Vinhais, distrito de Bragança, na localidade de Agrochão, onde estão 95 bombeiros com 30 viaturas. O incêndio lavra desde a meia-noite e tem uma frente ativa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.