Hells Angels: PJ captura mais um motard na Alemanha. Já são 59

A Judiciária ainda tem mandados de detenção europeus para prender outros elementos dos Hells Angels que escaparam à megaoperação de quarta-feira, que decorreu de norte a sul do país

Um dos membros dos Hells Angels alvo de mandado de detenção europeu foi detido esta madrugada na Alemanha, confirmou ao DN fonte oficial da PJ. Esta quarta-feira em conferência de imprensa, a responsável da Unidade Nacional de Contraterrorismo desta polícia, Manuela Santos tinha adiantado que, além dos 56 detidos confirmados nessa altura, havia "vários mandados de detenção europeus" para capturar outros elementos que não se encontravam em território nacional. Além do alemão, outros três foram, entretanto detidos, já depois desse encontro com os jornalistas, totalizando até ao momento 59 os elementos dos motards que vão começar a ser hoje ouvidos pelo tribunal.

Segundo a Procuradoria-Geral da República, está em causa "criminalidade especialmente violenta e altamente organizada", tendo a PJ adiantado que todos os presos presos estão indiciados por crimes que vão desde a tentativa de homicídio, roubo, ofensa à integridade física, danos, associação criminosa, já que há vários inquéritos incorporados.

Entre os detidos estão todos os cerca de 40 que integraram o grupo responsável pelos atos violentos ocorridos, em março passado, no Prior Velho. Um grupo rival de motards, os Bandidos, estavam reunidos num restaurante para criar um clube em Portugal, tentando conquistar território aos Hells Angels. À cabeça destes estava Mário Machado, em liberdade condicional, ex-líder da fação mais violenta dos cabeças rapadas - os Portuguese Hammerskins - com um longo historial de conflitos com os Hells Angels. O grupo de Machado foi agredido violentamente pelos Hells Angels, tendo seis ficado feridos.

"Esta associação criminosa já existe em Portugal desde 2002 e é um fenómeno que tem vindo a crescer em número de pessoas e em manifestações mais violentas. No Prior Velho foi a primeira vez que houve uma manifestação tão poderosa e em força como uma associação criminosa", afirmou Manuela Santos, acrescentando que foi a primeira vez que atuaram em grupo "com o objetivo comum de eliminar a concorrência".

Na megaoperação da PJ foram executados cerca de oitenta mandados de busca e cumpridas dezenas de mandados de detenção (o número certo não foi divulgado) de suspeitos de integrarem esta estrutura criminosa, segundo a polícia constituída por indivíduos extremamente perigosos, com vastos antecedentes criminais e larga experiencia na área da criminalidade violenta e organizada.

Entre detidos estão cinco cidadãos estrangeiros, da Alemanha e da Finlândia, e vários elementos da segurança privada. "Foi uma machadada na organização", reconheceu Manuela Santos.

Esta operação policial foi a maior a nível mundial contra este grupo que as secretas portuguesas já tinham identificado como uma ameaça grave à segurança, tal como a própria Europol. Na Alemanha o grupo foi proibido em 2012.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.