Hells Angels. "Foi uma machadada na organização do grupo", diz PJ

PJ diz que os crimes alegadamente cometidos pelos 56 membros detidos "não tiveram motivação político-ideológica", mas confirma que o grupo motard tem muitos skinheads

"Foi uma machadada na organização do grupo", sorriu Manuela Santos, a coordenadora da Unidade Nacional de Contraterrorismo (UNCT) da Polícia Judiciária (PJ), que esteve ao comando da megaoperação esta quarta-feira contra os motards Hells Angels, no âmbito da qual já foram detidos 56 pessoas.

Em conferência de imprensa esta tarde na sede da PJ, esta responsável, que tinha ao seu lado o novo Diretor Nacional da PJ, Luís Neves, revelou que os detidos estão indiciados por vários crimes graves e violentos, como tentativa de homicídio, ofensas graves à integridade física, posse ilegal de armas, roubo, danos e associação criminosa. A investigação, afirmou Luís Neves, teve o apoio dos Serviços de Informações de Segurança (SIS) , que já tinham identificado esta "ameaça à segurança", da GNR e da PSP.

Questionada sobre as ligações dos Hells Angels à extrema-direita, Manuela Santos assinalou que os crimes visados nesta operação específica "não tiveram motivação político-ideológica". No entanto, confirmou que há alguma ligação entre os Hells Angels e extrema-direita, pelo facto de "muitos dos seus elementos também pertencerem a grupos de skinheads".

Os detidos têm idades entre os 30 e os 50 anos e entre eles estão cinco estrangeiros, nomeadamente alemães e um finlandês. As autoridades também emitiram vários mandados de captura europeus e são esperadas mais detenções de elementos visados nos mandados de detenção, mas que não se encontram de momento em Portugal.

Entre os detidos, disse a coordenadora, há pessoas que pertencem a empresas de segurança privada, mas nenhum elemento de forças de segurança.

"É uma questão de liberdade"

"É uma questão de liberdade", assinalou Luís Neves logo na abertura da conferência de imprensa: "A Polícia Judiciária nunca o permitirá que a liberdade não seja um acento tónico em qualquer ponto do território nacional". No final do encontro com os jornalistas, Luís Neves salientou que os Hells Angels estavam a adquirir, pela violência, supremacia entre os grupos motards e, "coagindo-os" a criar "um clima de terror e medo". Nesse sentido, "foi restituída a liberdade a todos os grupos que se estavam a sentir condicionados para que possam continuar a participar livremente e sem medos os seus convívios".

A PJ admitiu que a realização, nos próximos dias 19 a 22 de julho, da concentração de motards em Faro acabou por acelerar esta operação. "Não seria bom haver esta oportunidade para mais conflitos", afirmou Manuela Santos. A responsável revelou que os Hells Angels são alvo de atenção da PJ "há vários anos", com diversos inquéritos abertos, mas que foi o caso do Prior Velho "a primeira manifestação tão poderosa e em força como associação criminosa. Foi a primeira vez que 100 elementos atuaram em grupo com o objetivo comum de eliminar a concorrência".

Este episódio aconteceu em março passado, num restaurante daquela localidade. Estavam ali reunidos membros dos "Bandidos", outra organização de motards que pertence aos fora-da-lei "Bikers 1%" e são rivais dos Hells Angels, a preparar a criação de um clube em Portugal. À cabeça estava Mário Machado, que tem um historial de conflitos com os Hells Angels, do tempo em que liderava a fação mais violenta dos "cabeças rapadas" no nosso país, os Portuguese Hammerskins.

Acabado de sair da prisão, em liberdade condicional, depois de condenado por vários crimes graves (extorsão, agressões, posse ilegal de arma), o também fundador do movimento Nova Ordem Social, que foi candidato à liderança da Juve Leo, reuniu os "Bandidos" para criar um núcleo português e conquistar território aos negócios dos Hells Angels. Um dos seis feridos pelas alegadas agressões seria um alemão, líder dos Bandidos naquele país, que, contou o Correio da Manhã, ali se encontrava para apadrinhar o evento.

Manuela Santos afiançou que os Hell Angels estão instalados em Portugal desde 2002 e que tem sido acompanhado pela PJ desde sempre. "É um fenómeno que tem vindo a crescer em número de pessoas e em manifestações mais violentas", sublinhou a coordenadora da UNCT.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.