Há quem tente criar protesto de coletes amarelos em Portugal. PSP está atenta

Está a ser convocado via Facebook, através de sites que o DN denunciou como transmissores de fake news, um protesto nacional para o próximo dia 21. PSP diz que, se acontecer, as pessoas são livres de se manifestarem mas garante estar atenta a situações que possam colocar em causa a segurança

"Revolta Nacional" é o lema que surge logo no topo da página de Facebook que está a convocar portugueses para um protesto à escala nacional, em várias cidades, numa tentativa de lançar em Portugal um movimento de contestação semelhante ao verificado em França com os "coletes amarelos". O dia 21 de dezembro, uma sexta-feira, é apontado como data para a mobilização popular. Lisboa, Porto, Braga, Faro e Aveiro já têm páginas próprias para as concentrações marcadas para as 07.00 e com o objetivo de se prolongarem todo o dia. Um motivo claro para o protesto não há. É um pouco contra tudo, desde a corrupção aos impostos, até ao preço dos combustíveis e eletricidade.

A Direção Nacional da PSP está atenta a estes eventuais protestos. "Para já, não há confirmação. Se acontecerem, a PSP não deixará de estar atenta a ações que colidam com a segurança das pessoas", disse ao DN o oficial de serviço na Direção Nacional da PSP, ressalvando que as pessoas são livres de se manifestarem como prevê a Constituição. A polícia tem acompanhado estas tentativas de criar no país um movimento de "coletes amarelos", tal como faz em relação a outras iniciativas que possam interferir na ordem pública, mas por enquanto não passam de convocatórias nas redes sociais e, por isso, falar em protestos nas ruas é especulativo. "Se vierem a acontecer, a PSP irá agir consoante a necessidade. Os protestos são normais e compreensíveis mas não podem pôr em causa direitos de outros cidadãos."

Esta é pelo menos a terceira tentativa para trazer para Portugal o protesto dos "coletes amarelos". Mas parece ser a mais organizada e com maior mobilização, com divulgação da intenção em sites como Bombeiros24.pt e DireitaPolítica.pt. Revolta é uma palavra muito usada nas redes sociais onde o evento é divulgado, existindo também discussão acesa sobre a razão que origina este protesto "importado" de França. Discute-se também as motivações políticas que possam existir para esta mobilização e se não é uma forma de extremismo. Há muitos comentários com acusações à iniciativa estar a ser dinamizada pela extrema-direita. Um dos protestos está convocado na página do Movimento Armilar Lusitano, alinhada com partidos nacionalistas. Contudo, um dos organizadores do protesto nacional explica num vídeo que o objetivo "não é derrubar o governo". "Só queremos mudar alguma coisa e isto não vem só deste Governo, vem de Governos anteriores", aponta.

DireitaPolítica.pt e Bombeiros24.pt são dois dos sites que o DN denunciou como veiculando notícias falsas. O primeiro publicou a imagem do relógio de luxo que Catarina Martins. O DireitaPolítica.pt tem como alvo preferencial políticos, já o Bombeiros24.pt, apesar do nome não tem nada a ver com bombeiros, é uma espécie de falso jornal de crimes.

"Isto não é uma manifestação. Isso já fazem 200 por ano e nada é feito. Isto é um bloqueio. Protesto. Uma revolta do povo unido"

"Isto não é uma manifestação. Isso já fazem 200 por ano e nada é feito. Isto é um bloqueio. Protesto. Uma revolta do povo unido. Até o povo ser ouvido", escreve outro dos dinamizadores do movimento na página de Facebook "Vamos Parar Portugal Como Forma De Protesto". O ativista, TIago Nunes, residente no Bombarral, diz que não não há nenhum partido político na organização "nem nada do género" e apela ao bom senso: "Não queremos faltas de respeito, xenofobia, racismo. Não vamos para lá com tintas, armas, fogo, etc. Vamos ser civilizados para não deitarmos tudo a perder. Não queremos ser acusados de terroristas nem vândalos."

Este elemento dá ainda alguns exemplos do que considera ser motivo para indignação e para sair à rua em protesto. "Vamos começar pelo preço dos combustíveis? a electricidade? Impostos para tudo? Portagens? O IP6 a desabar? imposto automóvel? Corrupção? o IVA tem de baixar para 17%! Salário mínimo tem de subir!"

Em Lisboa, o protesto está agendado para o Marquês de Pombal e para a Ponte 25 de Abril, onde se pretende fazer uma marcha lenta e buzinão. Há outros locais já anunciados como a A8, na Portagem de Loures, Faro, junto ao Fórum Algarve, Beja, em frente à Câmara Municipal, e Porto, na Via de Cintura Interna, junto ao Nó de Francos. Em Braga aparece a rua Andrade Corvo e em Aveiro a EN 109, junto ao Pingo Doce de Esgueira.

Em França, os gilets jaunes nasceram à margem de partidos e sindicatos. Inicialmente foi a taxa de carbono, que implica um aumento do preço de combustíveis, que mobilizou os franceses a envergarem os coletes amarelos no protesto. Depois, alargou-se a outras problemas como os elevados impostos, com grupos mais radicais, da extrema-direita à extrema-esquerda a juntarem-se. Mesmo depois de Emmanuel Macron ter suspendido a taxa de carbono, os protestos mantêm-se, com confrontos frequentes com a polícia e vandalismo a afetar comerciantes e moradores. No sábado foi o quarto momento da contestação iniciada em 17 de novembro, tendo sido detidas mais de 1300 pessoas e registados mais de 120 feridos.

Exclusivos