Premium Como funciona uma rede de notícias falsas em Portugal

Vários sites sediados no Canadá alojam fake news sobre a política portuguesa. Depois, vários grupos no Facebook, com milhares de membros, divulgam-nas. O criador desta operação explica-nos porquê.

Há uma série de imagens a circular rapidamente nas redes sociais. Numa delas, Catarina Martins tem um círculo desenhado à volta do pulso e uma caixa no lado esquerdo que explica uma parte da imagem que não se vê - um suposto relógio. Diz a mesma imagem que é um relógio de luxo suíço com o valor de 20,9 milhões de euros. A acusação vem em letras garrafais: "A maior fraude da política portuguesa depois de António Costa." O relógio não se vê, o preço é absurdo. A informação, propriamente dita, é "absolutamente falsa", contrapõe o BE. Mas a imagem teve 875 partilhas só da primeira vez que foi publicada no Facebook.

Outras se seguiram, como é hábito nas coisas que se tornam "virais", chegando a milhares de pessoas. A réplica nas redes sociais é a norma. A repetição faz-nos acreditar mesmo numa informação que desconfiamos ser falsa. A psicologia já estudou esse "efeito de verdade ilusória". Se ouvirmos várias vezes uma mentira, somos tentados a dar-lhe plausibilidade. E 63% dos portugueses dizem receber a sua informação nas redes sociais. Se Platão escrevesse hoje A Alegoria da Caverna, poderia chamar-se alegoria das redes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.