Premium Como funciona uma rede de notícias falsas em Portugal

Vários sites sediados no Canadá alojam fake news sobre a política portuguesa. Depois, vários grupos no Facebook, com milhares de membros, divulgam-nas. O criador desta operação explica-nos porquê.

Há uma série de imagens a circular rapidamente nas redes sociais. Numa delas, Catarina Martins tem um círculo desenhado à volta do pulso e uma caixa no lado esquerdo que explica uma parte da imagem que não se vê - um suposto relógio. Diz a mesma imagem que é um relógio de luxo suíço com o valor de 20,9 milhões de euros. A acusação vem em letras garrafais: "A maior fraude da política portuguesa depois de António Costa." O relógio não se vê, o preço é absurdo. A informação, propriamente dita, é "absolutamente falsa", contrapõe o BE. Mas a imagem teve 875 partilhas só da primeira vez que foi publicada no Facebook.

Outras se seguiram, como é hábito nas coisas que se tornam "virais", chegando a milhares de pessoas. A réplica nas redes sociais é a norma. A repetição faz-nos acreditar mesmo numa informação que desconfiamos ser falsa. A psicologia já estudou esse "efeito de verdade ilusória". Se ouvirmos várias vezes uma mentira, somos tentados a dar-lhe plausibilidade. E 63% dos portugueses dizem receber a sua informação nas redes sociais. Se Platão escrevesse hoje A Alegoria da Caverna, poderia chamar-se alegoria das redes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.