Governo quer acabar com reforma obrigatória

Ministério das Finanças está a ultimar projeto de diploma para equiparar o regime do setor público ao setor privado

O Governo prepara-se para mudar a legislação que obriga os funcionários públicos a aposentarem-se quando chegam aos 70 anos, avança a edição desta quinta-feira do Público.

O Ministério das Finanças está a "ultimar o projeto de diploma" para equiparar o regime do setor público ao do setor privado. O regime permite a quem quiser, com a concordância da entidade patronal, continuar a trabalhar depois dos 70 anos.

O gabinete de Mário Centeno não adiantou pormenores sobre o diploma, mas o Governo deverá debater esta matéria com representantes das estruturas sindicais, alguns dos quais já manifestaram reservas à alteração, escreve o diário.

Reforma compulsória por limite de idade tem quase um século

A reforma compulsória por limite de idade é uma regra que tem quase um século, mas o Executivo de António Costa prepara-se para a alterar. Recorde-se que há dois anos, o Parlamento aprovou uma recomendação para pôr fim ao limite. Uma proposta que teve os votos a favor do CDS, PS, PSD e os votos contra dos partidos de esquerda.

Diretor-geral de Saúde durante 12 anos, Francisco George deixou o cargo por limite de idade no ano passado. A idade foi também o motivo que levou Daniel Sampaio a sair do Serviço Nacional de Saúde, onde esteve à frente do serviço de Psiquiatria do Hospital de Santa Maria ao longo de quatro décadas. A obrigatoriedade de sair aos 70 anos na administração pública, instituída nos anos 20 do século passado, foi o que também levou o cirurgião Manuel Antunes a sair do Centro de Cirurgia Cardiotorácica dos hospitais de Coimbra, que dirigiu durante três décadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.