450 inspetores da PJ estão no terreno em megaoperação para prender Hells Angels

Foram detidos 56 homens, quatro deles em flagrante delito. Entre os detidos estão cinco cidadãos estrangeiros, da Alemanha e da Finlândia

A Polícia Judiciária (PJ) está esta quarta-feira no terreno com cerca de uma centena de mandados de busca contra elementos do grupo de motards Hells Angels. A operação, da responsabilidade do Departamento Central de Investigação Criminal (DCIAP) decorre de norte a sul do país - Porto, Lisboa, Almada, Setúbal e Faro - e está a ser coordenada pela Unidade Nacional de Contraterrorismo (UNCT) da PJ.

Trata-se da maior operação mundial de sempre contra este gangue. Parte dos alvos são estrangeiros a residir em Portugal, com destaque para Lisboa e Faro.

Cerca de 450 inspetores foram envolvidos nesta megaoperação, considerada de elevado risco. Em causa estão principalmente crimes de associação criminosa, tentativas de homicídio e ofensas à integridade física graves. A PJ deteve 56 homens, quatro deles em flagrante delito. Entre os detidos estão cinco cidadãos estrangeiros, da Alemanha e da Finlândia, e vários elementos da segurança privada.

Investigação ganhou forma em 2016

Os Hells Angels têm estado sob a atenção da PJ desde há vários anos. Esta investigação ganhou forma a partir de 2016, quando os investigadores da UNCT começaram a reunir vários casos de violência a envolver elementos deste grupo.

Em março passado tudo se precipitou quando um grupo de cerca de 40 destes motards fora-da-lei - todos identificados pela PJ e alvo desta operação - invadiram, com barras de ferro, paus e facas, um restaurante no Prior Velho, para agredir um grupo rival. Neste grupo rival, os Bandidos, estava Mário Machado, com um historial de conflitos com os Hells Angels, do tempo em que liderava a fação mais violenta dos cabeças rapadas no nosso país, os Portuguese Hammerskins. Ambos os grupos de motards têm também ligações à extrema-direita violenta, com ostentação de símbolos neo-nazis por alguns dos seus elementos.

Em atualização

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.