Bombeiro sofreu enfarte a combater fogo em Sintra

O incêndio começou junto ao estabelecimento prisional e progrediu para o perímetro do quartel da Carregueira, onde se situa o Regimento dos Comandos. No combate às chamas registaram-se quatro feridos.

Quatro feridos e um bombeiro em estado grave depois de ter sofrido um enfarte agudo do miocárdio. Este é o balanço do incêndio que deflagrou esta quarta-feira na serra da Carregueira, em Sintra, mas que já está dominado, encontrando-se em fase de rescaldo, de acordo com uma fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Lisboa, em declarações à agência Lusa.

"O incêndio já foi dominado e está em fase de rescaldo, não existe nenhuma frente ativa. Os trabalhos de rescaldo vão continuar durante a noite e a manhã, o efetivo no local vai ser reduzido, mas ainda vai ser grande o que vai ficar nos trabalhos de consolidação", afirmou fonte do CDOS de Lisboa, cerca das 21.15 horas.

Segundo a mesma fonte, existem quatro feridos a registar na ocorrência, além de um bombeiro estar em estado grave depois de sofrer um enfarte. "Quatro pessoas, três civis e um bombeiro, sofreram ferimentos ligeiros, e um bombeiro foi considerado em estado grave, depois de sofrer um enfarte agudo do miocárdio", explicou.

O incêndio obrigou a retirar cerca de 50 pessoas das suas casas na localidade da Venda Seca, no concelho de Sintra, por precaução, mas já foram autorizadas a regressar. "As pessoas já foram autorizadas a regressar às habitações e vias que estavam encerradas devido ao incêndio também já foram reabertas", frisou a fonte do CDOS.

O incêndio teve início às 15.20 horas, numa zona de mato, junto ao Estabelecimento Prisional da Carregueira e do Centro de Tropas e Comandos. Às 21.30, de acordo com a página na internet da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, estavam no local 375 operacionais, apoiados por 114 viaturas.

*Notícia atualizada às 22.20 horas

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.