Grevistas em Aveiras admitem cansaço e desilusão pela falta de acordo

No piquete de greve, em Aveiras de Cima, dezenas de motoristas dividem-se entre o cumprimento dos serviços mínimos para que são requisitados e a luta.

Ao sexto dia de paralisação, o piquete de greve em Aveiras de Cima não ultrapassa a meia dúzia de motoristas que acusam cansaço e a desilusão pela falta de acordo que solucione o conflito com o patronato.

António Gomes, de 47 anos, desde o início da paralisação dos motoristas passa "todos os dias várias horas" debaixo do viaduto, junto à Companhia Logística de Combustíveis (CLC), onde dia e noite se concentra o "piquete" de greve.

António fez na sexta-feira o primeiro "serviço mínimo" e voltou para o piquete "até cerca de meia-noite". Na manhã deste sábado, lá estava de novo, depois de ter descansado algumas horas.

A vida de dezenas de motoristas tem sido assim nos últimos dias. Dividida entre o cumprimento dos serviços mínimos para que são requisitados e a luta, debaixo do viaduto onde se vai vendo quem conduz os camiões que saem da empresa, carregados de combustíveis.

Na manhã de sábado, a greve regista em Aveiras de Cima, no concelho de Azambuja, distrito de Lisboa, uma das menores concentrações de motoristas.

"Cada vez mais desiludidos com os patrões"

"Muitos foram a casa descansar, porque têm de estar em condições para cumprir os serviços mínimos", explica António Gomes, um dos motoristas que estão "cada vez mais desiludidos com os patrões".

A Antram "está irredutível, com o Governo do lado dela, e não quer chegar a um consenso para acabar com a greve", lamenta o motorista, que exerce a profissão há 21 anos, nove dos quais a transportar matérias perigosas.

Francisco Marques, motorista de matérias perigosas há 30 anos, admite hoje "desilusão com alguns colegas" que não passam ali "tanto tempo como deviam".

Desde o início da greve não fez um único serviço, "disse sempre que não, apesar de ter sido chamado pela empresa duas vezes", esclarece, vincando ter estado "todos os dias" em Aveiras".

Apesar do cansaço, não desistem da luta

Ao sexto dia de greve, o corpo acusa o cansaço, a "rotina familiar ressente-se e surgem os problemas", e as condições a que estão sujeitos, debaixo do viaduto, vão sendo "mais complicadas".

Nos dias melhores, à hora de almoço, surgem colegas, com carros carregados de sandes e bebidas que colocam em cima de uma mesa e que todos vão comendo.

Mas neste sábado, a mesa não se pôs. O repasto vai saindo dos sacos e geleiras que vão ficando de dia para dia no separador central da via cortada ao trânsito.

Por baixo do viaduto reina a calma, não se gritam palavras de ordem e aguarda-se o resultado das reuniões que vão acontecendo entre os dirigentes sindicais "para preparar o plenário de domingo", diz António.

"É nisso que estamos concentrados agora", afirma, convicto de que do encontro, previsto para Aveiras de Cima, sairão "novas estratégias" de luta.

Até porque "a Antram pode ter a certeza de que, se não for recetiva às reivindicações, e se a greve for desconvocada", os motoristas garantem "voltar à luta, este ano, no próximo e nos que vierem".

Mas até ao plenário -- agendado para as 16:00 de domingo, na Junta de Freguesia de Aveiras de Cima -, tanto a saída dos camiões como os protestos parecem a meio gás em Aveiras de Cima.

Os motoristas de matérias perigosas cumprem, assim, mais um dia de uma greve por tempo indeterminado, depois de, nesta madrugada, ter falhado um acordo mediado pelo Governo numa reunião que durou cerca de 10 horas.

A paralisação foi inicialmente convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), mas este sindicato desconvocou o protesto na quinta-feira à noite, após um encontro com a Antram sob mediação do Governo.

No final do primeiro dia de greve, o Governo decretou uma requisição civil, parcial e gradual, alegando incumprimento dos serviços mínimos que tinha determinado.

Portugal está em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação para evitar que fossem afetados serviços essenciais à população.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.