Fraude de mais de seis milhões de euros. 14 empresários detidos

A PJ deteve esta terça-feira 14 empresários portugueses que se dedicavam à venda de produtos online através de empresas fictícias em países estrangeiros. Recuperavam IVA que não pagavam.

A Polícia Judiciária desencadeou esta terça-feira uma operação na zona da Grande Lisboa, tendo detido 15 empresários pelos crimes de associação criminosa, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais.

De acordo com o comunicado oficial da PJ, "até ao momento foi apurado um prejuízo" ao Estado "superior a seis milhões de euros".

No âmbito da operação, designada "Osíris", foram feitas 50 buscas domiciliárias e não domiciliárias, num âmbito de um inquérito investigado pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

Os detidos, com idades compreendidas entre os 20 e os 77 anos, são suspeitos de pertencer a uma rede organizada que, desde pelo menos 2017, se dedicava à fraude intracomunitária ao IVA na aquisição de equipamentos de telecomunicações.

A PJ explica que os suspeitos criavam empresas unipessoais, sem qualquer atividade real, emitindo faturação fictícia, sem que o valor do IVA fosse entregue ao Estado.

O grupo utilizava para a sua atividade plataformas de venda online "das maiores empresas nacionais do setor, permitindo-lhes obter uma exposição e volume de vendas que de outra forma não teriam alcançado".

Os detidos serão presentes no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa esta quarta-feira, para primeiro interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.