Fraude de mais de seis milhões de euros. 14 empresários detidos

A PJ deteve esta terça-feira 14 empresários portugueses que se dedicavam à venda de produtos online através de empresas fictícias em países estrangeiros. Recuperavam IVA que não pagavam.

A Polícia Judiciária desencadeou esta terça-feira uma operação na zona da Grande Lisboa, tendo detido 15 empresários pelos crimes de associação criminosa, fraude fiscal qualificada e branqueamento de capitais.

De acordo com o comunicado oficial da PJ, "até ao momento foi apurado um prejuízo" ao Estado "superior a seis milhões de euros".

No âmbito da operação, designada "Osíris", foram feitas 50 buscas domiciliárias e não domiciliárias, num âmbito de um inquérito investigado pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa.

Os detidos, com idades compreendidas entre os 20 e os 77 anos, são suspeitos de pertencer a uma rede organizada que, desde pelo menos 2017, se dedicava à fraude intracomunitária ao IVA na aquisição de equipamentos de telecomunicações.

A PJ explica que os suspeitos criavam empresas unipessoais, sem qualquer atividade real, emitindo faturação fictícia, sem que o valor do IVA fosse entregue ao Estado.

O grupo utilizava para a sua atividade plataformas de venda online "das maiores empresas nacionais do setor, permitindo-lhes obter uma exposição e volume de vendas que de outra forma não teriam alcançado".

Os detidos serão presentes no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa esta quarta-feira, para primeiro interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.