Ferro Rodrigues diz que as suas declarações sobre os media foram mal interpretadas

Presidente da Assembleia da República faz esclarecimento depois de críticas de Poiares Maduro a declarações suas, segundo as quais existe desconhecimento sobre "os proprietários de determinados meios de comunicação social"

Trata-se de um equívoco, esclarece Ferro Rodrigues. Em nota enviada à revista Jornalismo e Jornalistas, à qual tinha dado anteriormente uma entrevista, durante a qual fez as referidas declarações, Ferro Rodrigues, lamenta o equívoco e afirma que foi erradamente interpretado.

Na nota, o presidente da Assembleia da República afirma que pelo facto de existir uma lei que "regula a transparência da titularidade, da gestão e dos meios de financiamento das entidades (...) de comunicação social, tendo em vista a promoção da liberdade e do pluralismo de expressão e a salvaguarda da sua independência editorial perante os poderes político e económico", isso não resolve só por si a questão de saber quem são os proprietários de determinados meios de comunicação social, já que essa informação não é prestada diretamente ao cidadão.

O esclarecimento surge na sequência de críticas do ex-ministro Poiares Maduro às suas declarações na referida entrevista. O antigo ministro que teve a tutela da Comunicação Social no governo de Passos Coelho, acusou Ferro Rodrigues de "ignorância", por desconhecer, como escreveu num post, no Facebook, que "desde o final da última legislatura que é obrigatório o que o presidente da AR exige..."

Para Ferro Rodrigues, no entanto, e como esclarece na sua nota, devem ser envidados esforços para garantir maior transparência no que respeita à propriedade dos meios de comunicação social, já que é grande a opacidade na informação prestada aos cidadãos.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.