Governo fecha todas as escolas a partir de segunda-feira até dia 9 de abril pelo menos

Há já 78 casos positivos em Portugal, entre os quais se incluem professores e alunos de escolas e instituições de ensino superior.

A decisão está tomada. A partir desta segunda-feira e até ao final do mês todas as escolas do país terão de suspender as suas atividades letivas.

A decisão abrange escolas, creches e ATL, do setor público ou privado. A notícia foi inicialmente avançada pela RTP e foi anunciada esta noite formalmente pelo primeiro-ministro.

Entre os 78 casos confirmados de infeção por covid-19 em Portugal (dados da Direção-Geral de Saúde), há professores e alunos de escolas básicas, secundárias e do ensino superior, o que tem motivado o encerramento voluntário de várias instituições de norte a sul do país.

Ainda que a decisão estivesse a cargo do governo, este esperava a recomendação do Conselho Nacional de Saúde Pública, que se mostrou contra o encerramento das escolas e de todos os outros estabelecimentos públicos e privados sem que tal ocorresse com "a autorização expressa das autoridades de saúde". O parecer deste órgão, apresentado na conferência de imprensa desta quarta-feira à noite, teve o aval da Direção-Geral de Saúde. "Nesta fase, com esta realidade, o que faz sentido é as autoridades de saúde em cada local. E em cada região analisarão a situação e poderão determinar o encerramento de escolas na área", disse também a diretora-geral Graça Freitas.

O primeiro-ministro reuniu-se esta tarde com todos os partidos com assento parlamentar para dar conta das decisões que estão a ser tomadas sobre o surto do novo coronavírus e para os ouvir sobre esta pandemia.

Número de casos aumentou 19 de quarta para quinta-feira

Escolas fecharam antes de conhecer decisão

Desde que o novo coronavírus se confirmou em Portugal, no início deste mês, não tardou até que a possibilidade de contágio ameaçasse escolas de todo o país. Começou pela cidade da Amadora, no distrito de Lisboa, depois de confirmada a infeção de uma professora de Físico-Química da Escola Básica 2,3 Roque Gameiro, que tinha passado o Carnaval em Itália - o país com mais casos confirmados e mais mortes na Europa; o segundo em todo o mundo, a seguir à China, país de origem do vírus.

Desde então, também a Escola Secundária da Amadora foi obrigada a fechar por precaução. Seguiram-se Felgueiras e Lousada, no distrito do Porto, com todos os estabelecimentos de ensino de portas fechadas, sendo os concelhos onde o foco de contágio mostrou ser maior no país. Depois, ainda duas outras escolas em Portimão, Faro, onde uma aluna e a mãe de uma outra estudante foram diagnosticadas com covid-19. Contam-se já dezenas as escolas e colégios que decidiram fechar por prevenção.

A medida estende-se agora a todas as escolas do país, por ordem do governo, alinhado com a vontade da Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE), que esta terça-feira defendia a antecipação das férias da Páscoa para que todos os estabelecimentos de ensino pudessem prevenir qualquer hipótese de contágio, "o ambiente perfeito" para a transmissão. E também com mais de 14 mil subscritores de uma petição que corre na internet, onde era pedido o encerramento imediato das escolas do país.

Portugal segue o exemplo de países como Espanha e Polónia, onde o governo decidiu suspender o ensino em todo o país como medida de prevenção.

Também no ensino superior começam a ser estudados os impactos e as soluções do novo coronavírus em Portugal. Dezenas de escolas e faculdades decidiram suspender aulas presenciais e eventos, entre as quais se destacam as várias faculdades de medicina do país, que foram recomendadas para encerrar, de forma a evitar o contacto dos doentes e dos professores com doentes. A Universidade do Porto, uma das instituições mais afetadas com a interrupção letiva, disse ao DN já estar a admitir a possibilidade de prolongar o ano letivo, para colmatar o encerramento das várias faculdades.

Mais 19 casos

O número de infetados pelo novo coronavírus em Portugal aumentou esta quinta-feira para 78, a maioria dos casos (44) localizados na zona norte do país. Na quarta-feira, pela primeira vez foram anunciados casos nas faixas etárias dos 0 aos 9 anos e acima de 80 anos. Cinco da totalidade dos casos foram importados de Espanha, dez de Itália três da Suíça e um outro poderá ter sido importado da Alemanha ou Áustria, segundo dados da Direção-Geral de Saúde (DGS).

Ainda esta quarta-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou que o surto do novo coronavírus atingiu o nível de pandemia. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, indicou que esta medida está relacionada com a expectativa de que nos próximos tempos o número de infetados e de mortos pelo novo coronavírus continue a aumentar.

Para evitar que a epidemia se espalhe a DGS reforça os conselhos relativos à prevenção: evitar contacto próximo com pessoas que demonstrem sinais de infeção respiratória aguda, lavar frequentemente as mãos, evitar contacto com animais, tapar o nariz e a boca quando espirra ou tosse e lavar as mãos de seguida pelo menos durante 20 segundos. Para a comunidade escolar podem ser encontradas mais informações aqui.

Em caso de apresentar sintomas coincidentes com os do vírus (febre, tosse, dificuldade respiratória), a autoridade de saúde pede que não se desloque às urgências, mas para ligar para a Linha SNS 24 (808 24 24 24). De acordo com o último boletim informativo, tosse é o sintoma mais frequente (65%) entre os casos confirmados, seguida de febre (46%), dores musculares (40%), cefaleia (37%), fraqueza generalizada (24%) e, por último, dificuldades respiratórias (10%).

Em atualização

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG