Bastonário dos Médicos defende uso de máscaras de proteção na cerimónia do 25 de Abril

O bastonário da Ordem dos Médicos disse esta sexta-feira esperar que o número de pessoas na cerimónia do 25 de Abril na Assembleia da República seja "restringido ao máximo" e defendeu que os participantes devem usar máscara de proteção.

Em declarações à agência Lusa, Miguel Guimarães referiu que, a propósito das celebrações naquele espaço fechado, tem defendido que a cerimónia "não deveria ter mais de 40 pessoas" e todos com máscaras de proteção, com exceção de quem tem de discursar, devido à pandemia de covid-19.

No entender do bastonário, se a cerimónia for celebrada com uma presença excessiva de deputados, convidados e funcionários do parlamento isso significa, na prática, estar "a dizer ao país que a pandemia acabou", quando "não acabou".

"O 25 de Abril é uma data muito importante para todos os portugueses, mas tem de ser uma cerimónia muito reduzida em que as pessoas cumpram as regras e usem as máscaras (de proteção)", insistiu Miguel Guimarães, observando que o uso das máscaras é essencial no parlamento, porque é nos espaços fechados que a infeção mais facilmente se propaga.

Assim, na sua opinião, o distanciamento na Assembleia da República "não chega".

Nas palavras do bastonário, "aquilo que os políticos irão fazer amanhã (sábado, na cerimónia do 25 de Abril) é uma mensagem forte que ficará para as pessoas e para aquilo que elas podem fazer".

Por isso, disse esperar que no parlamento sejam cumpridas "todas as regras" que têm vigorado para a sociedade e que os intervenientes e presentes nas celebrações sejam "exemplares nesse cumprimento".

Caso contrário, alertou Miguel Guimarães, a mensagem que estão a transmitir à sociedade é a de que a pandemia acabou, quando na realidade "ainda não acabou".

Na quinta-feira, a diretora-geral da Saúde disse que as pessoas que estarão nas celebrações do 25 de Abril na Assembleia da República podem não usar máscaras de proteção porque o "edifício é grande" e pode ser cumprido o distanciamento social.

"É um edifício grande, tem uma área e uma cubicagem grande, tem uma parte de baixo e galerias e estarão garantidas todas as condições para que as pessoas estejam em distanciamento social. Existem circuitos de entrada e de saída. As pessoas não se cruzam necessariamente", afirmou Graça Freitas na conferência de imprensa diária de atualização de informação sobre a pandemia de covid-19.

Portugal contabiliza 854 mortos associados à covid-19 em 22.797 casos confirmados de infeção, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde sobre a pandemia.

Das pessoas infetadas, 1.068 estão hospitalizadas, das quais 188 em unidades de cuidados intensivos, e o número de casos recuperados passou de 1.201 para 1.228.

Portugal cumpre o terceiro período de 15 dias de estado de emergência, iniciado em 19 de março, e o Governo anunciou esta sexta-feira a proibição de deslocações entre concelhos no fim de semana prolongado de 01 a 03 de maio.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG