Autarca de Barcelos rejeita perante o TIC envolvimento na "Teia"

Em causa estão suspeitas de corrupção, tráfico de influência e participação económica em negócio

O presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes, recusou esta sexta-feira perante o Tribunal de Instrução Criminal (TIC) a prática dos crimes que levaram à sua detenção no âmbito da operação "Teia", disse o seu advogado.

O testemunho, de duas horas e meia e que continua no período da tarde, "correu bem" e o autarca "está a destruir pedra sobre pedra, as suspeitas que sobre ele impendem", disse o seu advogado, Nuno Cerejeira Namora, que falava aos jornalistas num intervalo para almoço.

O autarca socialista de Barcelos e um dos cinco vice-presidentes da Associação Nacional de Municípios Portugueses foi o primeiro dos quatro arguidos do processo a ser chamado a depor perante o juiz de instrução Artur Guimarães, a fim de lhe serem fixadas as medidas de coação.

"Se ele apanhar alguma condenação, eu rasgo a minha cédula profissional", disse o advogado do autarca de Barcelos

Nas suas declarações, Nuno Cerejeira Namora garantiu que rasga a sua cédula profissional de advogado se o presidente da Câmara de Barcelos for condenado no âmbito deste processo.

"Se ele apanhar alguma condenação, eu rasgo a minha cédula profissional", disse Cerejeira Namora, a respeito do seu cliente, ao mesmo tempo que exibia aquele título perante as câmaras de televisão.

O causídico disse que "é para rir" a imputação feita ao seu cliente de que celebrou em 2009 um contrato com a agência de comunicação da coarguida Manuela Couto para supostamente obter um favor 10 anos depois, e que se traduzia no fornecimento de um contacto do secretário de Estado da Internacionalização.

Interrogatórios podem prolongar-se até ao fim de semana

Depois de se saber que todos os arguidos manifestaram intenção de falar ao TIC, Nuno Cerejeira Namora admitiu que os interrogatórios se prolonguem para além desta sexta-feira, pelo menos até sábado.

"À cautela, já cancelei o que tinha previsto para o fim de semana", disse à agência Lusa.

Os quatro detidos na operação "Teia" chegaram esta sexta-feira pelas 10:06 ao TIC para o primeiro interrogatório judicial.

Na quinta-feira já tinham estado naquele tribunal para identificação e os seus advogados puderam consultar os autos.

Os arguidos são os presidentes das câmaras de Barcelos, Miguel Costa Gomes, e de Santo Tirso, Joaquim Couto (ambos autarcas socialistas), o presidente do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto, Laranja Pontes, e a empresária Manuela Couto, administradora da W Global Communication, que já tinha sido constituída arguida em outubro, no âmbito da operação "Éter", relacionada com o Turismo do Norte.

Os quatro arguidos foram todos detidos na quarta-feira, no âmbito da operação "Teia", que se centra nas autarquias de Santo Tirso e Barcelos, bem como no IPO/Porto, e investiga suspeitas de corrupção, tráfico de influência e participação económica em negócio, traduzidas na "viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto", segundo comunicado da Diretoria do Norte da Polícia Judiciária, o órgão de polícia criminal que apoia o Ministério Público neste caso.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.