Aumento de casos "previsível" pelo menos até ao fim de abril, diz Marta Temido

Não há dúvida. Portugal está a seguir o caminho que outros países já fizeram no percurso do covd-19. E o pico do surto do coronavírus vai continuar a aumentar até final de abril. Os doentes que estão agora a ser detetados já foram infetados há mais de cinco dias. Muitos deles, segundo apurou o DN, estiveram em viagem durante as férias do Carnaval em vários países da Europa.

Marta Temido começou a conferência de imprensa sobre o balanço epidemiológico sem papas na língua e a informar os portugueses que os casos continuam a aumentar e que assim continuarão até ao final de abril. "Há 18 casos internados em unidade de cuidados intensivos e oito são críticos", inspiram preocupação. "Com os dados que dispomos à data é previsível que a curva epidemiológica aumente pelo menos até ao final de abril".

A ministra da Saúde, que já ontem tinha sublinhado várias vezes, que o país iria viver dias muito duros e difíceis, voltou hoje a fazê-lo, pois, disse, "é necessário que se tenha noção disto". Marta Temido voltou a referir que a curva exponencial do vírus em Portugal irá depender muito do comportamento de cada um, relembrando que só se deve sair em caso de necessidade, que o regresso ao trabalho deve ser feito de forma disciplinada e respeitando todas as regras de higiene e de segurança - como distâncias, lavagem de mãos e desinfeção dos locais.

A governante começou mais uma vez também a falar dos profissionais de saúde e da sua preocupação em não aguentarem a resposta que terá de ser dada pelo SNS. Por isso, devem ser protegidos e poupados a situações que não sejam de facto urgentes e graves.

Neste sentido, Marta Temido informou que está a ser preparado um programa para reforçar a proteção individual dos profissionais para que estes desempenhem as suas funções em segurança. Amanhã, segundo referiu, as unidades de saúde deverão começar a ser reforçadas com mais equipamento de proteção individual.

Uma das preocupações neste combate ao coronavírus é o número de profissionais disponíveis para atuar. Neste sentido, a ministra voltou a explicar que as entidades patronais devem facilitar a assistência à família por parte do progenitor que não seja profissional de saúde. No caso de serem os dois progenitores profissionais de saúde, relembro que haverá escolas abertas para os filhos destes e que estes poderão ainda passar o subsídio que iriam receber por ficarem a tomar conta dos filhos para uma outra pessoa, indicada por eles.

Maioria dos doentes detetados são os que estão a regressar de férias da Europa

Tudo medidas que têm como objetivo recrutar o maior número de profissionais para as unidades de saúde.

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, nas suas intervenções inclui sempre a necessidade dos cuidados que cada um de nós deve ter. Neste domingo, Portugal está com 245 casos, quando sábado eram 169. Mas para a diretora-geral este dia é um dia diferente. "A sociedade portuguesa está a organizar-se", disse.

Neste momento, e segundo sublinhou também, há 18 doentes em cuidados intensivos, mas alertando para o facto de que os que estão agora a manifestar sintomas já foram infetados há mais de cinco dias. A região de Lisboa e Vale do Tejo já regista mais casos positivos do que o norte, onde foram identificados os primeiros casos de coronavírus.

O DN sabe que o boom de casos agora registado está associado a pessoas que estiveram de viagem durante as férias do carnaval em vários países da Europa, nomeadamente em zonas afetadas.

Por isso, Graça Freitas alerta: "Quem está em isolamento profilático, tem de o cumprir. É porque esteve em contacto com um infetado e pode vir a ter sintomas. Quem não está, é porque não esteve em contacto com um infetado ou que não viajou para zonas afetadas, mas estes têm de o cumprir na mesma para não serem infetados".

Nas perguntas aos jornalistas, Marta Temido e Graça Freitas responderam ao facto de já haver profissionais de saúde com covid-19. Relembre-se que o Sindicato Independente dos Médicos anunciou esta tarde que há 50 casos de médicos que deram positivo ao covid-19 e 150 em quarentena. Graça Freitas referiu que uma coisa é o facto de os profissionais serem infetados em ambiente profissional, outra é serem em ambiente social. Ou seja, afirmou, há sete médicos infetados através do seu ambiente social.

A técnica de saúde pública referiu ainda, e em relação ao facto de o ibuprofeno, poder não ser indicado para tratar situações de covid-19, que tal "é mentira" e que será feito um desmentido a nível europeu, segundo foi informada pelo presidente do Infarmed.

Até este domingo, estão registados 167 693 infetados, 6456 mortes e 76 598 recuperados. Itália continua a ser o segundo país com a pior situação no mundo, a seguir à China, onde surgiu o foco deste novo vírus, no final do ano de 2019.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG