Mais 259 casos de covid em Portugal. Oitavo dia consecutivo com mais de 250 infeções diárias

O boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde regista ainda, nas últimas 24 horas, mais quatro mortes. 63% dos casos localizam-se em Lisboa e Vale do Tejo, 27% no Norte.

Em Portugal, nas últimas 24 horas, morreram mais quatro pessoas e foram confirmados mais 259 casos de covid-19 (um aumento de 0,7% face ao dia anterior). É o oitavo dia consecutivo em que o país notifica mais de 250 novas infeções. Segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) desta segunda-feira (22 de junho), no total, desde que a pandemia começou registaram-se 39392 infetados, 25548 recuperados (mais 172) e 1534 vítimas mortais no país.

Ou seja, há, neste momento, 12 310 doentes portugueses ativos a ser acompanhados pelas autoridades de saúde. 96,6% encontram-se a ser tratados no domicílio, segundo o secretário de estado da Saúde, António Lacerda Sales.

164 dos 259 novos infetados (63%) têm residência na região de Lisboa e Vale do Tejo. Tal como os quatro óbitos registados, que dizem todos respeito a cidadãos com mais de 80 anos.

Os restante infetados nas últimas 24 horas distribuem-se pelo Norte (mais 71 doentes - 27%), pelo Centro (14), pelo Algarve (oito) e pelo Alentejo (dois).

O concelho do país que acumula mais casos positivos de covid-19 é Lisboa (3 150), seguido por (2 272), Loures (1 654), Vila Nova de Gaia (1 611), Amadora (1 436) e pelo Porto (1 414).

Esta segunda-feira, o número de hospitalizações subiu. Estão internados 424 doentes (mais 17 que ontem), sendo que destes 72 encontram-se nos cuidados intensivos (mais três).

Já a taxa de letalidade global do país encontra-se hoje nos 3,9%, subindo aos 16,8% no caso das pessoas com mais de 70 anos - as principais vítimas mortais da pandemia.

O boletim da DGS indica ainda que aguardam resultados laboratoriais 1782 pessoas e estão em vigilância pelas autoridades de saúde mais de 30 mil. O sintoma mais comum entre os infetados é a tosse (que afeta 38% dos doentes), seguida da febre (28%) e de dores musculares (21%).

Costa está reunido com autarcas dos concelhos de Lisboa mais afetados

O primeiro-ministro, António Costa, está reunido, esta segunda-feira, com os presidentes dos cinco municípios da área metropolitana de Lisboa que despertam maior preocupação devido ao elevado número de novos casos de covid-19 nas últimas semanas. A ministra da Saúde, Marta Temido, também estará presente.

Entre os autarcas convocados para a reunião, agendada para as 10:00 de hoje na residência oficial do primeiro-ministro, estão Fernando Medina (Lisboa), Basílio Horta (Sintra), Carla Tavares (Amadora), Hugo Martins (Odivelas) e Bernardino Soares (Loures), que devem discutir o eventual aprofundamento das medidas de contenção da pandemia nas áreas com maior incidência atual da doença provocada pelo vírus SARS-CoV-2.

No sábado, o primeiro-ministro, António Costa, garantiu que, se for preciso dar passos atrás no desconfinamento, o fará, mas prefere controlar a situação, considerando que a melhor forma de solidariedade e de retoma é todos cumprirem as regras.

OMS regista maior número de novos casos num dia

O novo coronavírus já infetou mais de nove milhões de pessoas no mundo inteiro, até esta segunda-feira às 10:11, segundo dados oficiais. Há agora 4,8 milhões de recuperados e 471 040 mortes a registar.

Nas últimas 24 horas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) registou o maior aumento de novos casos de coronavírus num dia, com as Américas do Sul e de Norte a serem responsáveis ​​pela maioria das novas infeções. Foram mais de 183 mil novos casos num dia - grande parte distribuída pelo Brasil, pelos EUA e a Índia.

No total, os Estados Unidos da América são o país com a maior concentração de casos (2 356 715) e de mortes (122 248). Em termos de número de infetados, seguem-se o Brasil (1 086 990) e a Rússia (592 280). Portugal surge em 34.º lugar nesta tabela.

Quanto aos óbitos, depois dos Estados Unidos, o Brasil é a nação com mais mortes declaradas (50 659). Seguem-se o Reino Unido (42 632) e a Itália (34 634).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG