Mais 5 óbitos por covid. Número de mortos em 24h é o mais baixo desde 22 de março

O boletim da Direção-Geral da Saúde refere ainda que há mais 342 novos casos de infeção pelo novo coronavírus. 75% destes localizam-se na região de Lisboa e Vale do Tejo.

Em Portugal, nas últimas 24 horas, morreram mais cinco pessoas - o menor número deste indicador desde o dia 22 de março, quando se registaram apenas dois óbitos. Foram confirmados também mais 342 casos de covid-19 (um aumento de 1% face ao dia anterior). Segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), deste domingo (7 de junho), no total, desde que a pandemia começou registaram-se 34 693 infetados, 20 995 recuperados (mais 188) e 1479 vítimas mortais no país.

Ou seja, há, neste momento, 12 219 doentes portugueses ativos, a ser acompanhados pelas autoridades de saúde, informou a ministra, durante a habitual conferência de imprensa.

75% dos novos casos dizem respeito à região de Lisboa e Vale do Tejo. O que tem sido aliás constante. De acordo com a responsável pela pasta da Saúde, a área da Grande Lisboa "tem representado de um modo consistente 70% do número de infetados notificados no país nos últimos dias". Sendo que 80% dos casos desta região se distribuem por cinco concelhos: Sintra (infetados em 15 dias 273), Lisboa (mais 187), Amadora (171), Loures (135) e Odivelas (88).

Apenas 87 dos 342 casos do último dia não residem nesta zona e estão distribuídos pelo Norte (mais 54 infetados), pelo Centro (24), pelo Algarve (sete) e pelo Alentejo (dois). Só os Açores e a Madeira não revelam nenhuma alteração à sua situação epidemiológica.

No entanto, durante a conferência de imprensa, Marta Temido, a ministra da saúde, indicou que nem todos os casos notificados hoje "são novos do dia, alguns correspondem a notificações que não estavam ainda registadas nas bases de dado", referindo-se em especial ao Centro e ao Norte do país.

Quanto aos cinco óbitos declarados nas últimas 24 horas, três tinham local de residência na região da Grande Lisboa e os outros dois na região Norte. ​​​​A taxa de letalidade global do país é hoje de 4,3%, aumentando para 17,4% no caso das pessoas acima dos 70 anos - as principais vítimas mortais.

Este domingo, estão internados 398 doentes (menos 16 que ontem), sendo que destes 58 encontram-se nos cuidados intensivos (mais um). Marta Temido indica que a tendência decrescente neste indicador começa a atingir também os hospitais dos concelhos mais afetados, acima referidos, que se aproximam da "estabilidade".

O boletim da DGS indica ainda que aguardam resultados laboratoriais 1352 pessoas e estão em vigilância pelas autoridades de saúde mais de 29 mil. O sintoma mais comum entre os infetados é a tosse (que afeta 40% dos doentes), seguida da febre (29%) e de dores musculares (21%).

Reforço da intervenção junto a zonas comerciais para evitar ajuntamentos

Durante a conferência de imprensa, o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro, na qualidade de Coordenador da resposta à covid-19 na região de Lisboa e Vale do Tejo, revelou que "nos próximos dias a PSP vai reforçar a intervenção deste território [Grande Lisboa] para verificar o cumprimento de medidas de restrição nos estabelecimentos comerciais" e, se necessário, "serão encerrados os que não cumpram regras".

Duarte Cordeiro disse ainda que a PSP da área metropolitana de Lisboa já levou a cabo "8 mil ações de verificação do cumprimento do confinamento obrigatório", no âmbito das quais fez cinco detenções. Além disso foram ainda feitas "840 ações de sensibilização e de fiscalização de estabelecimentos comerciais, tendo encerrado 12".

O Governo deixa a promessa de continuar e aumentar a intensidade das medidas de prevenção, depois da identificação de vários surtos associados a obras e a empresas. Principalmente, quando tanto a ministra da Saúde como o secretário de estado admitiram, de forma clara, que é esperado que os número da região de Lisboa continuem a subir nos próximos dias.

Marta Temido elencou três razões para que isto aconteça, que se traduzem "num atraso da curva epidemiológica na região", nos surtos existentes e na estratégia de testagem levada a cabo na última semana nas empresas na área metropolitana de Lisboa, que permitiram identificar mais novos casos. A ministra especificou que entre os 255 infetados encontrados nas últimas 24 horas, pelo menos 101 estavam relacionados com este plano de recolha de amostras traçado pelas autoridades.

Na última semana, foram testadas cerca de 14 mil pessoas em empresas e até ao momento comunicados resultados correspondentes a 8907 testes, revelou a tutela. 396 deram positivo (4,4%). Os restantes deverão ser conhecidos durante o próximo dia.

4,4% dos testes de despiste realizados em empresas na Grande Lisboa foram positivos.

Para Duarte Cordeiro "só com esforço conjunto conseguiremos reduzir a taxa de contágio" na região de Lisboa e Vale do Tejo. E, por isso, lança um apelo a todos os portugueses para que evitem aglomerações, mantenham o distanciamento social e continuem a respeitar as medidas de higiene, limpeza de objetos e superfícies e de etiqueta respiratória.

"Estamos a preparar uma nova reserva estratégica" de equipamentos

Marta Temido anunciou também que Portugal está a preparar uma nova reserva estratégica de equipamentos de proteção individual e de materiais para responder no combate à pandemia.

"Estamos a preparar uma nova reserva estratégica, porque não podemos desguarnecer a nossa atenção a estes aspetos", sublinhou a ministra da Saúde, reiterando que Portugal "não pode baixar a preparação para a doença".

Segundo a governante, o país continuará a receber as "entregas de equipamentos de proteção individual ao longo das próximas semanas". Já na segunda-feira de manhã está prevista a chegada de "mais um voo" com "cerca de 20" ventiladores. No total, Portugal comprou 1 151 ventiladores, dos quais 717 já estão em território nacional ou em trânsito nas embaixadas e 434 estão por entregar.

A ministra aproveitou para atualizar os números relacionados com os equipamentos distribuídos desde o início da pandemia: 57 milhões de máscaras cirúrgicas e 11 milhões de máscaras FFP2 e FFP3.

402 mil mortes por covid em todo o mundo

O novo coronavírus já infetou mais de sete milhões de pessoas no mundo inteiro, até este domingo às 10:51, segundo dados oficiais. Há agora 3,4 milhões de recuperados e 402 660 mortes a registar.

Os Estados Unidos da América são o país com a maior concentração de casos (1 988 545) e de mortes (112 096). Em termos de número de infetados, seguem-se o Brasil (676 494) e a Rússia (467 673). Portugal surge em 30.º lugar nesta tabela.

Quanto aos óbitos, depois dos Estados Unidos, o Reino Unido é a nação com mais mortes declaradas (40 465). Seguem-se o Brasil (36 044) e a Itália (33 846).

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG