"As sanções não nos surpreendem e não nos metem medo", diz Putin

Presidente russo falou aos media chineses antes da visita à China.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse esperar que as sanções económicas contra a Rússia sejam progressivamente levantadas e que as relações com os países ocidentais se normalizem.

"As sanções não nos surpreendem e não nos metem medo", disse numa entrevista ao presidente do China Media Group, Shen Haixiong, em vésperas da visita de Putin à China. "Nós vamos normalizar as nossas relações com os nossos parceiros, incluindo os EUA e os seus aliados que nos impõem sanções", acrescentou.

Putin inicia na sexta-feira uma visita de Estado de três dias à China. As trocas comerciais entre os dois países foram de 87 mil milhões de dólares, no ano passado. Ao longo da visita, Moscovo e Pequim esperam reforçar a colaboração nos setores das infraestruturas, energia e pesquisa científica.

O novo primeiro-ministro italiano, Guiseppe Conte, que procura uma aproximação à Rússia, disse na terça-feira que iria reexaminar as sanções contra Moscovo.

Putin esteve terça-feira na Áustria, naquela que foi a sua primeira visita a um país da Europa Ocidental em quase um ano. Em Viena, o presidente russo disse estar pronto a restabelecer relações normais com a União Europeia (UE).

As relações entre UE e a Rússia, que já estavam tensas desde a aplicação das sanções económicas a Moscovo por causa da anexação do território ucraniano da Crimeia, assim como a guerra na Síria, ficaram ainda mais difíceis com o envenenamento do ex-agente russo Sergei Skripal e da filha, no Reino Unido. Londres acusou Moscovo de estar por detrás da tentativa de homicídio.

O chanceler austríaco, Sebastian Kurz, defendeu o levantamento progressivo das sanções contra a Rússia se existirem progressos no processo destinado a pôr fim ao conflito ucraniano. O seu parceiro de coligação, a extrema-direita do FPÖ, há muito defende o fim das sanções. Ao contrário da maioria dos países europeus, a Áustria (tal como Portugal) não expulsou diplomatas russos após o caso Skripal.

Na entrevista, o presidente russo lembra que outros países já começam a sentir "as desvantagens" da posição norte-americana. E avisa que esta atitute "afeta todo o mundo, mais cedo ou mais tarde, incluindo os responsáveis pela iniciativa".

Putin elogia Trump

Na mesma entrevista, o presidente russo disse que a decisão do homólogo norte-americano, Donald Trump, de se encontrar com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, era "corajosa e madura", dizendo esperar um "resultado positivo".

"Ainda espero que este encontro - uma decisão corajosa e madura do presidente norte-americano Donald Trump de ter contactos diretos com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un - vai acontecer e todos esperamos um resultado positivo", disse Putin na entrevista.

Na sexta-feira, Trump voltou atrás com a decisão de cancelar a cimeira, depois de a ter suspenso por causa da "hostilidade aberta" de Pyongyang.

Em relação à sua própria reunião com Trump, Putin disse no início da semana que a "feroz disputa política" nos EUA está a dificultar esse encontro.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?