Preso islamita "radicalizado" em França

Um indivíduo foi detido em Paris após descoberta de explosivos numa área residencial em Paris. Segundo a polícia, ter-se-ia "radicalizado".

O ministro do Interior de França, Gerard Collomb, anunciou hoje a detenção de uma série de pessoas na região de Paris, sendo que, pelo menos, uma delas ter-se-ia "radicalizado" no quadro do islão militante.

As detenções ocorreram durante o fim de semana e sucederam após a descoberta de um engenho explosivo numa residência da capital francesa. O engenho era composto por quatro botijas de gás

O ministro não revelou o número de detenções efetuadas, apenas indicou que "um certo número" de prisões se realizou logo após ter sido encontrado o referido engenho numa habitação do 16.º bairro de Paris, uma área de classe média alta. Para Collomb, a descoberta evidencia que a capital assim como o resto de França continua a ser um alvo potencial de ações terroristas e que se vive no país "uma situação de guerra".

Segundo a agência Reuters, mais de 230 pessoas morreram em França vítimas de ataques terroristas, todos eles reivindicados pelo Estado Islâmico. O mais recente sucedeu no final da passada semana quando um indivíduo esfaqueou mortalmente duas mulheres na estação de comboios de Saint-Charles em Marselha, no sul de França.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.