Merkel pediu a Putin para garantir direitos de homossexuais

Chanceler alemã esteve com Vladimir Putin na Rússia e mencionou a perseguição de homossexuais na Chechénia

A chanceler alemã Angela Merkel pediu esta terça-feira ao presidente da Rússia Vladimir Putin para ajudar na proteção dos direitos dos homossexuais na Chechénia, na sequência de relatos sobre perseguições nesta república autónoma do Cáucaso.

"Temos ouvido relatos muito negativos sobre o tratamento de homossexuais na Chechénia e eu pedi ao presidente Putin para usar a sua influência para garantir os direitos de minorias aqui", afirmou Merkel durante uma conferência de imprensa conjunta com Vladimir Putin em Sochi, (sudeste da Rússia), nas costas do Mar Negro.

Na sua primeira visita à Rússia desde que este país anexou a Crimeia, em 2014, a chanceler referiu também os relatos de que as autoridades russas têm prendido manifestantes contra o governo e de que alguns setores da sociedade, como as testemunhas de jeová, têm sido perseguidos.

"Durante as minhas conversas com o presidente russo eu referi o quão importante é o direito de protestar numa sociedade civil e quão importantes são as organizações não-governamentais", continuou a chanceler, segundo a Reuters.

Putin negou que a polícia russa tenha violado os direitos dos manifestantes ao prendê-los e afirmou apenas que "as forças de segurança russas agem de modo muito mais contido do que alguns colegas noutros países europeus".

Após o encontro com Putin, Merkel precisou que durante as conversações "construtivas" foram abordados também um vasto conjunto de temas de atualidade, incluindo a Síria.

A chanceler alemã Angela Merkel disse desejar o fim das sanções europeias contra a Rússia, mas insistiu no cumprimento dos acordos de Minsk para a resolução do conflito separatista.

"Gostaria que tivéssemos a possibilidade de levantar as sanções quando forem cumpridos os acordos", assinalou Merkel na conferência de imprensa.

Merkel lamentou ainda a inexistência de "progressos" na resolução do conflito no leste da Ucrânia onde, referiu, "se acentuam as tendências separatistas" dos pró-russos.

Segundo a imprensa russa, a polícia chechena deteve mais de cem homens, alegadamente por serem homossexuais, e pelo menos três terão morrido. Um porta-voz oficial do presidente daquela república russa do Cáucaso, Ramzan Kadyrov, negou esta acusação, dizendo "é impossível perseguir aqueles que não existem na república".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?