Encontro entre Kim Jong-un e Vladimir Putin marcado para a segunda quinzena de abril

Este será o primeiro encontro entre os governantes cujos dois países mantêm relações amistosas.

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, vai encontrar-se com o Presidente russo, Vladimir Putin, na segunda quinzena deste mês para uma cimeira bilateral, anunciaram esta quinta-feira as autoridades russas.

"A convite de Vladimir Putin (...) Kim Jong-un vai deslocar-se à Rússia para uma visita na segunda quinzena de abril", indicou o Kremlin, em comunicado.

Este será o primeiro encontro entre os governantes cujos dois países mantêm relações amistosas.

O jornal russo Izvestia indicou, citando fontes diplomáticas, que o encontro dos dois líderes ocorrerá na cidade de Vladivostok, a 100 quilómetros da fronteira com a Coreia do Norte, antes de Putin visitar a China em 26 e 27 de abril para participar no fórum sobre a nova Rota da Seda da China.

Segundo a agência de notícias sul-coreana Yonhap, a companhia aérea norte-coreana Air Koryo agendou um voo especial para Vladivostok na terça-feira.

O Kremlin confirmou, na segunda-feira, que estava a ser preparada uma cimeira entre Vladimir Putin e Kim Jong-un.

"Posso confirmar que está a ser preparada a reunião. Na realidade, há já algum tempo que o estamos a dizer", declarou então o porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov, citado pela agência de notícias Interfax.

Nas últimas semanas, aumentaram os contactos entre Moscovo e Pyongyang, facto que vários meios de comunicação interpretaram como um sinal claro da proximidade da cimeira entre Putin e Kim.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.