Estrasburgo. Suspeito de atentado disparou antes de ser abatido pela polícia

Operação policial terminou com a "neutralização" de Chérif Chekatt, que terá disparado antes de ter sido alvejado. Ministro do Interior declarou ter orgulho no trabalho policial. Autoproclamado Estado Islâmico diz que Chekatt era seu soldado.

Uma operação comandada pelo grupo de operações especiais da Polícia francesa, RAID, teve lugar esta quinta-feira à noite no bairro de Neudorf, onde o rasto de Chekatt tinha sido perdido na terça-feira à noite, quando o suspeito atacou o mercado de Natal no centro da cidade.

Chekatt foi morto a tiro às 21.00 (20.00 em Lisboa) por uma patrulha da polícia, junto de um armazém da Rue du Lazaret, 74. Encontrava-se a 800 metros da Rue d'Epinal, onde decorreu uma operação policial durante a tarde. O criminoso tinha sido avistado à tarde por uma mulher, disse uma fonte policial ao Figaro.

O ministro do Interior, Christophe Castaner, explicou que a equipa envolvida no tiroteio, composta por três agentes da polícia nacional, "avistou um indivíduo na via pública. Interpelou-o e ele virou-se para os polícias enquanto disparava".

Castaner, que se afirmou orgulhoso pelo trabalho policial, informou ainda que durante a operação foi usado um helicóptero.

Segundo o jornal L'Alsace o atirador foi morto a tiros de metralhadora depois de ter apontado uma arma de fogo aos agentes da polícia. Chekatt teria também disparado contra um veículo da polícia. Estava também armado com uma faca.

Já à AFP, uma fonte policial explicou que o criminoso atirou antes. "Ele atirou numa equipa de polícias, que retaliaram."

Junto do perímetro de segurança, noticia o Figaro, os cidadãos aplaudiram e elogiaram a ação policial.

A Amaq, agência de propaganda do Estado Islâmico, disse que Chérif Chekatt era um soldado do grupo terrorista.

Três vítimas recebem alta

O ministro do Interior, Christophe Castaner, que se deslocou esta tarde para Estrasburgo, informou que dos 13 feridos resultantes do atentado, três saíram hoje do hospital. Outros três estão em estado grave e de prognóstico reservado. O ataque a tiro resultou em três mortes.

O ministro, que falava antes do desfecho da perseguição, anunciara também a reabertura do mercado de Natal, "para não ceder ao medo e ao obscurantismo", com um "dispositivo de segurança adaptado".

O mercado de Natal tem um papel central na cidade europeia, que recebe cerca de dois milhões de visitantes anuais. Na terça-feira à noite, pouco antes das 20.00, entrou no centro histórico e no meio do mercado de Natal disparou sobre os transeuntes. A polícia interveio e da troca de tiros ficou ferido no braço, mas conseguiu fugir num táxi.

As forças de segurança mobilizaram 720 agentes numa caça ao homem durante as horas seguintes.

O presidente da Câmara de Estrasburgo, por sua vez, congratulou-se com o facto de a "espada de Dâmocles que pendia sobre a cidade" já não existir. "Em todo o caso, tínhamos previsto reabrir o mercado de Natal na sexta-feira, às 11 horas", disse Roland Ries. Segundo o maire, esta decisão tinha sido tomada "numa altura em que ainda não se sabia o que ia acontecer". O atirador foi morto a tiro durante a conferência de imprensa do ministro Castaner e do autarca.

Ler mais

Exclusivos