Theresa May avisa a UE que "ameaça russa não respeita fronteiras"

À chegada à cimeira da União Europeia, em Bruxelas, a primeira-ministra britânica disse hoje que o envenenamento do ex-espião Serguei Skripal "enquadra-se num modelo de agressão russa à Europa"

A primeira-ministra britânica, Theresa May, frisou hoje que "a ameaça russa não respeita fronteiras", à chegada a uma cimeira da União Europeia, em Bruxelas, na qual vai pedir o apoio dos parceiros face à Rússia no caso Skripal.

"É claro que a ameaça russa não respeita fronteiras e o incidente de Salisbury enquadra-se num modelo de agressão russa à Europa e aos seus vizinhos, dos Balcãs Ocidentais ao Médio Oriente", disse May, referindo-se ao envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal com um gás neurotóxino naquela localidade de Inglaterra.

A primeira-ministra reafirmou o seu "compromisso incondicional" com a segurança europeia e evocou os aniversários, hoje, dos atentados de 22 de março de 2016 em Bruxelas e de 22 de março de 2017 em Westminster (Londres).

May, cujo país deve abandonar a UE daqui a um ano, disse que pretende abordar com os parceiros europeus "as oportunidades e desafios mútuos" que enfrentam "como amigos e aliados próximos" depois do "temerário ataque" russo contra o Reino Unido.

O caso do ex-espião duplo de origem russa Serguei Skripal, de 66 anos, e da sua filha Yulia, de 33 anos, que, segundo Londres, foram envenenados com um agente neurotóxico cujo fabrico remonta à altura da União Soviética, é um dos temas em debate na cimeira de chefes de Estado e de Governo da União Europeia (UE), que começou hoje e termina na sexta-feira em Bruxelas.

Antes das declarações de Theresa May em Bruxelas, já tinha sido noticiada a vontade da primeira-ministra britânica de pedir aos homólogos que sigam o seu exemplo e expulsem diplomatas russos.

"A provocação da Rússia vai durar anos. Como uma democracia europeia, o Reino Unido vai estar de braço dado com a União Europeia e com a NATO para enfrentarmos estas ameaças em conjunto. Juntos podemos vencer", vai dizer hoje May na cimeira, segundo trechos do discurso enviado pelo seu gabinete às agências.

O governo britânico deseja que os 28 adotem uma "declaração forte", mas não espera que as medidas sejam tomadas hoje. "Este é um processo gradual, vai tomar o seu tempo, é um desafio a longo prazo", disse uma fonte governamental ao The Guardian.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.