Theresa May pede para aliados expulsarem diplomatas russos

PM britânica discursa hoje em Bruxelas pela união dos europeus face à provocação russa. Mas nem todos os países parecem interessados em alinhar

A primeira-ministra britânica vai tentar obter apoio unânime dos seus parceiros europeus na condenação de Moscovo no caso do envenenamento do ex-espião Sergei Skripal e da sua filha. Um objetivo que não se afigura fácil para Theresa May, até porque vai pedir aos homólogos que sigam o seu exemplo e expulsem diplomatas russos.

"A provocação da Rússia vai durar anos. Como uma democracia europeia, o Reino Unido vai estar de braço dado com a União Europeia e com a NATO para enfrentarmos estas ameaças em conjunto. Juntos podemos vencer", vai dizer May, segundo trechos do discurso enviado pelo seu gabinete às agências.

O discurso de May terá lugar hoje, no jantar de trabalho na cimeira da União Europeia, que decorre até sexta-feira em Bruxelas.

O governo britânico deseja que os 28 adotem uma "declaração forte", mas não espera que as medidas sejam tomadas hoje. "Este é um processo gradual, vai tomar o seu tempo, é um desafio a longo prazo", disse uma fonte governamental ao The Guardian.

Mas as capitais europeias estão longe da unanimidade sobre a atitude face a Moscovo e o projeto de declaração preparado para esta cimeira reflete "opiniões diferentes", dizem diplomatas à AFP.

Há o campo dos defensores da linguagem dura, para os quais não há outra explicação plausível além da responsabilidade da Rússia. O presidente francês Emmanuel Macron inclui-se neste campo.

E há outro grupo que não quer aumentar as tensões com o o persidente russo Vladimir Putin. Itália, Grécia, Áustria, Chipre desejam manter boas relações com Moscovo e moderaram a linguagem do projeto da declaração final, na qual afirmar levar "muito a sério a avaliação do governo britânico de que é muito provável que a Federação Rússa é responsável" pelo sucedido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.