Rajoy diz que moção de censura acentua instabilidade em Espanha

Rajoy reagiu de forma dura contra a moção de censura que o líder do PSOE pretende promover contra o governo do PP

Rajoy disse esta sexta-feira, na Moncloa, aos jornalistas, que a moção de censura do PSOE foi anunciada depois de aprovado o orçamento do Estado, prejudicando a economia espanhola, acentuando a instabilidade em Espanha, onde se teve que aplicar o artigo 155.º da Constituição espanhola por causa da deriva independentista vivida na Catalunha. "Debilita claramente Espanha", disse o primeiro-ministro, questionado sobre o impacto da mesma.

A decisão de Sánchez foi conhecida um dia depois de o tribunal ter dado a conhecer a sentença do caso Gürtel, com penas pesadas para 29 dos acusados, como o ex-tesoureiro do PP, Luis Bárcenas, que foi condenado a 33 anos de prisão e a uma multa de 44 milhões de euros. O PP foi condenado a uma multa de 245 mil euros.

"Esta moção assenta numa falsidade. A sentença vai ser alvo de recurso. Não é definitiva. Nenhum membro deste governo que agora se pretende censurar esteve a ser julgado neste caso. Nenhum membro deste governo teve nada que ver com o que se passou à altura dos acontecimentos", afirmou Rajoy, sublinhando que "a responsabilidade imputada ao PP é civil e não penal".

A moção de censura é assinada pelos 84 deputados do grupo parlamentar do PSOE, sendo Pedro Sánchez o candidato à liderança do governo. O líder socialista, desafiado na véspera pelo líder do Podemos, Pablo Iglesias, a tomar esta medida, diz que a moção de censura é para governar e não indica quando poderá convocar eleições. O Ciudadanos de Albert Rivera defende que a moção de censura devia servir para convocar eleições antecipadas. Mas Rajoy garantiu aos jornalistas que o seu objetivo é ficar até ao fim desta legislatura.

"A moção de censura interessa apenas ao senhor Sánchez, que perdeu as últimas eleições e, desde então, procura o seu lugar na política espanhola. Esta moção não é consequência de nada", disparou Rajoy, acusando Sánchez de querer unir-se a qualquer um para chegar ao poder, admitindo que, "qualquer dia o veremos aliado ao senhor [Carles] Puigdemont", referindo-se ao ex-presidente da Generalitat da Catalunha atualmente exilado em Berlim.

"Sánchez carece de legitimidade moral, pois é preciso perguntar-lhe então se vai demitir-se se o PSOE for condenado nos casos em que estão a ser investigados políticos do partido", sublinhou ainda o chefe do governo espanhol, referindo-se a casos como o dos ERE, na Andaluzia.

Recorde-se que, perante o impasse político em Espanha, após as últimas legislativas de 2016, em que nenhum partido obteve maioria absoluta, o PSOE viabilizou pela abstenção a continuação de Rajoy e do PP no poder. Sánchez demitiu-se de líder do partido e voltou, mais tarde, a ser reeleito secretário-geral do partido.

Exclusivos

Premium

Clássico

Mais de 55 milhões de euros separam plantéis de Benfica e FC Porto

Em relação à época passada, os encarnados ultrapassaram os dragões no que diz respeito à avaliação do plantel. Bruno Lage tem à sua disposição um lote de jogadores avaliado em 310,7 milhões de euros, já Sérgio Conceição tem nas mãos um grupo que vale 255,5 milhões. Neste sábado, no Estádio da Luz, defrontam-se pela primeira vez esta temporada.