PSOE apresenta moção de censura contra Rajoy. Ciudadanos quer eleições

Podemos vai apoiar a decisão e Ciudadanos manifesta apoio se servir para convocar eleições

Depois de um intenso debate na cúpula do PSOE durante esta quinta-feira, a liderança socialista apresentou na manhã desta sexta-feira no Congresso dos Deputados uma moção de censura contra Mariano Rajoy. O Podemos tornou pública a decisão de apoiar esta moção.

A decisão foi tomada na sequência das condenações que esta quinta-feira foram conhecidas no âmbito do caso Gürtel.

"O PSOE pediu ao PP que assumisse as suas responsabilidades, sem sucesso", disse Pedro Sánchez. "Tiveram a possibilidade de o fazer e não o fizeram diante de uma sentença que é uma condenação", acrescentou.

A moção de censura é assinada pelos 84 deputados do grupo parlamentar do PSOE, sendo Pedro Sánchez o candidato à presidência do governo. O líder socialista diz que a moção de censura é para governar e não indica quando poderá convocar eleições. O Ciudadanos defendia que a moção de censura devia servir para convocar eleições.

Um tribunal espanhol aplicou na quinta-feira penas elevadas a uma série de políticos e empresários envolvidos num esquema de corrupção, a que se chamou "caso Gürtel", que ajudou a financiar o Partido Popular (PP), no poder.

O próprio partido do primeiro-ministro foi multado em 245 mil euros por ter beneficiado do esquema ilegal que se baseava em conceder contratos públicos a empresas em troca de dinheiro.

O registo da moção de censura do PSOE, que foi levada em mão pela porta-voz do partido, Margarita Robles, ocorreu antes de o secretário-geral do partido, Pedro Sánchez, informar a direção nacional do partido, que está reunida neste momento na sede, em Madrid.

Sanchez reuniu-se na quinta-feira com parte da liderança do partido para analisar a possibilidade de apresentar a moção, que foi entregue esta manhã na Câmara Baixa.

A moção havia sido exigida na quinta-feira pelo líder do partido Podemos, Pablo Iglesias, que já havia adiantado que a apoiaria.

Iglesias denunciou que a decisão do "caso Gürtel" é a prova de que há "um partido delinquente" no comando do Governo, o que não se pode permitir em nenhuma democracia.

Mas os votos do PSOE e do Podemos são insuficientes para aprovar a moção de censura, uma vez que é necessária maioria absoluta (176 deputados) e ambas as formações só têm 151.

Entretanto, o partido Ciudadanos veio dizer, através de um tweet, que apoiará o movimento do PSOE, desde que seja "instrumental" e sirva para convocar novas eleições.

"Se o senhor Rajoy se recusar a convocar uma votação, apoiaremos uma moção de censura, ou convocaremos eleições ou o Congresso fará isso por meio de uma moção instrumental", disse José María Villegas.

A ideia seria apoiar a moção para escolher um "candidato instrumental", isto é, investir um candidato cujo objetivo seja apenas o de convocar eleições.

O seu presidente, Albert Rivera, anunciou na quinta-feira que o seu partido "avaliará" o que vai fazer no resto da Legislatura e a sua relação com o Governo depois da sentença do "caso Gürtel" contra o Partido Popular (PP), que colocou o Executivo e o país em uma situação "tão grave".

"Há um antes e um depois" após a decisão do tribunal, disse Rivera.

Antes de saber da notícia da entrega da moção de censura, o vice-secretário de comunicação do PP, Pablo Casado, considerou que esta moção não seguiria em frente, já que "não teria a soma de votos necessária", sem o apoio dos Cidadãos ou de outros partidos.

Mariano Rajoy, chamado a prestar declarações ao tribunal no âmbito do "caso Gürtel", em julho de 2017, declarou na altura que não estava a par dos casos de corrupção quando estes tiveram lugar a partir de 1999 e que ele próprio decidiu, em 2004, cortar as relações que havia entre o PP e Francisco Correa, cujas empresas forneciam serviços a esse partido.

Este empresário, que é considerado o "cérebro" do "caso Gurtel", foi na quinta-feira condenado a mais de 52 anos de prisão e Luis Barcenas, um ex-tesoureiro do PP, a 33 anos de prisão e ao pagamento de uma multa de quatro milhões de euros.

Durante o julgamento, Francisco Correa explicou um esquema em que entregava "envelopes" com dinheiro a funcionários públicos e responsáveis políticos eleitos pelo PP, para ajudarem certas empresas "amigas" a ganharem contratos de direito público.

Mariano Rajoy nunca foi envolvido diretamente no caso Gurtel, mas os seus cargos de responsabilidade no PP têm levado os opositores a acusá-lo de ter "fechado os olhos" ao esquema. Este e outros escândalos de corrupção que envolvem membros do PP contribuíram para que o partido perdesse em dezembro de 2015 a maioria absoluta que tinha no parlamento espanhol.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.