Kim Jong-un terá mandado executar diplomatas após fracasso na cimeira com os EUA

O jornal sul-coreano Chosun Ilbo avança que o enviado especial da Coreia do Norte aos EUA e quatro outros funcionários do Ministério dos Negócios Estrangeiros foram executados em março. A intérprete que traduziu a cimeira foi enviada para um campo de prisioneiros

Um jornal da Coreia do Sul noticia esta sexta-feira que Pyongyang terá executado o emissário especial para os Estados Unidos, depois do fracasso da segunda cimeira entre os líderes norte-americano, Donald Trump, e norte-coreano, Kim Jong-un, que decorreu em Hanói, Vietname.

O diário Chosun Ilbo afirmou que Kim Hyok-chol, responsável pelo trabalho preparatório antes da cimeira de Hanoi, em fevereiro passado, e que viajou até à capital vietnamita a bordo do comboio privado de Kim Jong-un, foi alegadamente fuzilado por ter "traído o líder supremo".

"Kim Hyok-chol foi executado em março no aeroporto de Mirim com quatro altos responsáveis do Ministério dos Negócios Estrangeiros, na sequência de um inquérito", garantiu o jornal, que citou uma fonte não identificada.

O diário não avança o nome das outras pessoas que terão sido executadas.

Kim Hyok-chol era o homólogo do emissário norte-americano Stephen Biegun nas negociações preparatórias da cimeira de Hanoi.

O Ministério da Unificação sul-coreano, que se ocupa das questões inter coreanas, escusou-se a fazer qualquer comentário sobre o artigo do Chosun Ilbo.

Intérprete enviada para um campo de prisioneiros

O diário indicou ainda que a intérprete de Kim, Shin Hye-hong, foi enviada para um campo de prisioneiros políticos, devido a um erro cometido durante a cimeira.

Aparentemente, a intérprete não traduziu a nova proposta de Kim Jong-un, quando Donald Trump declarou que "não havia acordo" e deixou a mesa das negociações, de acordo com o Chosun Ilbo, que citou uma fonte diplomática.

Trump e Kim encurtaram a cimeira de Hanoi, concluída sem qualquer acordo e sem uma declaração comum, devido à impossibilidade de um entendimento em relação ao desmantelamento dos programas nucleares de Pyongyang em troca de um levantamento das sanções económicas impostas ao país asiático.

Desde então, a Coreia do Norte já realizou dois testes de mísseis de curto alcance.

Kim Yong-chol, alto responsável do partido único no poder e homólogo norte-coreano do secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, nas negociações sobre a questão nuclear, foi também enviado para um campo de trabalho, acrescentou o mesmo jornal.

Em abril, a comissão parlamentar sobre informações sul-coreana afirmou que Kim Yong-chol tinha sido sancionado pela gestão da cimeira de Hanoi, apesar de ter sido recentemente nomeado para a Comissão de Assuntos de Estado, o primeiro órgão do Estado norte-coreano, presidida pelo líder do regime e herdeiro da 'dinastia' Kim.

As notícias sobre esta alegada purga foram publicadas depois de o Rodong Sinmun, órgão oficial do partido no poder na Coreia do Norte, ter advertido na quinta-feira que os responsáveis que cometam atos hostis ao partido ou antirrevolucionários seriam confrontados com o "julgamento severo da revolução".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.