Desafio aos EUA: Kim faz segundo lançamento de mísseis em cinco dias

Forças Armadas da Coreia do Sul confirmaram que Pyongyang lançou dois novos mísseis de curto alcance - o segundo teste deste género numa semana, que coincidiu com a chegada a Seul de um enviado norte-americano para relançar o diálogo sobre o nuclear.

Eram 16:30 locais (8:30 em Lisboa) quando dois mísseis de curto alcance foram lançados de Kusiong, a 160 km de Pyongyang. Segundo um comunicado do chefe de Estado-Maior das Forças Armadas sul-coreanas. Os projéteis atingiram uma altitude de 50 km antes de caírem no mar, informa o mesmo comunicado.

Esta foi a segunda vez em cinco dias que a Coreia do Norte realiza um teste de mísseis, tendo desta vez coincidido com a chegada a Seul do enviado norte-americano Stephen Biegun, destacado para retomar as negociações sobre o nuclear.

Para os analistas este é um claro desafio de Kim Jong-un, o líder norte-coreano, aos EUA de Donald Trump. Isto depois de um encontro entre Kim e Trump, no Vietname em fevereiro, ter terminado num impasse, com a Coreia do Norte a exigir o alívio das sanções americanas, enquanto os EUA exigem que Pyongyang abandone totalmente o seu programa nuclear.

No sábado, a Coreia do Norte já dispararam outros dois mísseis de curto alcance que caíram no Mar do Japão - o seu primeiro teste com mísseis desde novembro de 2017, quando testara vários mísseis intercontinentais, além de ter efetuado o seu quinto ensaio nuclear. Nessa altura, muitos analistas recearam um conflito aberto entre Coreia do Norte e EUA, acirrado pela troca de palavras duras entre Trump e Kim.

Horas antes do lançamento de mísseis, Stephen Biegun chegou à capital sul-coreana para discutir formas de retomar o diálogo para a desnuclearização da península coreana - um dos compromissos assumidos por Kim e Trump na primeira cimeira entre os dois, em junho de 2018 na zona desmilitarizada que separa os dois países desde o fim da Guerra da Coreia. O conflito, que durou entre 1950 e 1953 terminou com um armistício mas sem acordo de paz.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.