"As sanções não nos surpreendem e não nos metem medo", diz Putin

Presidente russo falou aos media chineses antes da visita à China.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse esperar que as sanções económicas contra a Rússia sejam progressivamente levantadas e que as relações com os países ocidentais se normalizem.

"As sanções não nos surpreendem e não nos metem medo", disse numa entrevista ao presidente do China Media Group, Shen Haixiong, em vésperas da visita de Putin à China. "Nós vamos normalizar as nossas relações com os nossos parceiros, incluindo os EUA e os seus aliados que nos impõem sanções", acrescentou.

Putin inicia na sexta-feira uma visita de Estado de três dias à China. As trocas comerciais entre os dois países foram de 87 mil milhões de dólares, no ano passado. Ao longo da visita, Moscovo e Pequim esperam reforçar a colaboração nos setores das infraestruturas, energia e pesquisa científica.

O novo primeiro-ministro italiano, Guiseppe Conte, que procura uma aproximação à Rússia, disse na terça-feira que iria reexaminar as sanções contra Moscovo.

Putin esteve terça-feira na Áustria, naquela que foi a sua primeira visita a um país da Europa Ocidental em quase um ano. Em Viena, o presidente russo disse estar pronto a restabelecer relações normais com a União Europeia (UE).

As relações entre UE e a Rússia, que já estavam tensas desde a aplicação das sanções económicas a Moscovo por causa da anexação do território ucraniano da Crimeia, assim como a guerra na Síria, ficaram ainda mais difíceis com o envenenamento do ex-agente russo Sergei Skripal e da filha, no Reino Unido. Londres acusou Moscovo de estar por detrás da tentativa de homicídio.

O chanceler austríaco, Sebastian Kurz, defendeu o levantamento progressivo das sanções contra a Rússia se existirem progressos no processo destinado a pôr fim ao conflito ucraniano. O seu parceiro de coligação, a extrema-direita do FPÖ, há muito defende o fim das sanções. Ao contrário da maioria dos países europeus, a Áustria (tal como Portugal) não expulsou diplomatas russos após o caso Skripal.

Na entrevista, o presidente russo lembra que outros países já começam a sentir "as desvantagens" da posição norte-americana. E avisa que esta atitute "afeta todo o mundo, mais cedo ou mais tarde, incluindo os responsáveis pela iniciativa".

Putin elogia Trump

Na mesma entrevista, o presidente russo disse que a decisão do homólogo norte-americano, Donald Trump, de se encontrar com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, era "corajosa e madura", dizendo esperar um "resultado positivo".

"Ainda espero que este encontro - uma decisão corajosa e madura do presidente norte-americano Donald Trump de ter contactos diretos com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un - vai acontecer e todos esperamos um resultado positivo", disse Putin na entrevista.

Na sexta-feira, Trump voltou atrás com a decisão de cancelar a cimeira, depois de a ter suspenso por causa da "hostilidade aberta" de Pyongyang.

Em relação à sua própria reunião com Trump, Putin disse no início da semana que a "feroz disputa política" nos EUA está a dificultar esse encontro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.