MP Eleitoral brasileiro recomenda a impugnação de candidatura de Lula

O antigo chefe de Estado lidera a corrida presidencial com 37,3% das intenções de voto

O Ministério Público Eleitoral do Brasil recomendou esta segunda-feira que fosse declarada a inelegibilidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva num parecer enviado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) do país.

O anúncio da decisão foi feito pelo vice-procurador geral eleitoral, Humberto Jacques de Medeiros, que pediu ao TSE que negue o registo da candidatura de Lula da Silva por já ter sido condenado em duas instâncias da Justiça, condição que o tornaria inelegível segundo as leis do Brasil.

Lula da Silva está preso desde abril na cidade de Curitiba após ter sido condenado em segunda instância a uma pena de 12 anos e 1 mês por corrupção e branqueamento de capitais, num processo relacionado com a propriedade de um apartamento de luxo na cidade costeira de Guarujá.

Lula da Silva e o Partido dos Trabalhadores (PT) solicitaram na quarta-feira o registo da sua candidatura à Presidência do Brasil, uma ação que gerou um processo que está a ser analisado no TSE para onde a recomendação do Ministério Público Eleitoral foi enviada.

Embora possa ser impedido de disputar eleições, o antigo chefe de Estado lidera a corrida presidencial com 37,3% das intenções de voto segundo uma sondagem divulgada hoje pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).