Portugueses retidos num cruzeiro no Egito "continuarão a viagem se tudo correr bem"

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, disse esta segunda-feira em Madrid que, "se tudo correr bem", os mais de 40 turistas portugueses retidos num navio em Luxor (Egito), irão continuar a sua viagem "normalmente", depois de concluídos testes ao Covid-19.

"Se as coisas correrem bem, os turistas continuarão a sua viagem normalmente", afirmou Santos Silva numa conferência de imprensa com a responsável pela diplomacia espanhola, Arancha González Laya, com quem esteve reunido no fim da manhã.

Mais de 40 portugueses estão retidos num navio em Luxor, Egipto, a aguardar o rastreio dos serviços de saúde egípcios por causa de dezenas de casos de infeção pelo novo coronavírus detetados num outro cruzeiro na região.

Em declarações à agência Lusa, Sandra Monteiro, uma das passageiras portuguesas do navio MS Princess Sarah, explicou que chegou ao Cairo no dia 3 de março e entrou neste cruzeiro em Luxor no sábado, para fazer a descida do rio Nilo.

"Saímos, visitámos o templo e regressámos. Hoje de manhã fomos informados de que vem a segurança e higiene nacional fazer o rastreio a todos os cruzeiros por causa do Covid-19", contou à Lusa a passageira portuguesa.

Sandra Monteiro diz que no navio MS Princess Sarah estão pelo menos 43 portugueses, além de outros passageiros porto-riquenhos, argentinos, espanhóis e chineses e que há dezenas de cruzeiros parados em Luxor a aguardar o mesmo rastreio. "Estão vários cruzeiros na mesma situação. Nós somos o terceiro, temos mais cinco na nossa lateral e atrás de nós estão filas idênticas, com nove a 10 cruzeiros cada, lado a lado", acrescentou.

A portuguesa diz não há casos suspeitos no cruzeiro MS Princess Sarah, mas que houve suspeita num dos outros navios. "Para passarmos para a cidade temos de passar por dentro dos vários cruzeiros, num corredor, e também vamos visitar templos onde estiveram pessoas infetadas...", disse a portuguesa, acrescentando: "A cidade está fechada, não podemos sair e vão fazer o rastreio a todos, independentemente se o navio está referenciado (com casos suspeitos) ou não".

Sandra Monteiro disse ainda que as autoridades preveem ter o trabalho de rastreio concluído até final desta segunda-feira e que a previsão era pernoitar em Luxor esta segunda-feira à noite. "Dentro do cruzeiro podemos circular. Estão sempre a desinfetar as áreas comuns. Já fecharam os quartos, pois íamos sair", explicou Sandra Monteiro, sublinhando que neste navio "todos os passageiros estão bem-dispostos e ninguém tem sintomas". "Estamos a aguardar (...) Temos consciência de que quem não está cá está mais aflito para saber como estamos. Mas estamos bem", acrescentou.

No domingo, os passageiros e a tripulação do navio A-Sara, que está em Luxor, foram retirados da embarcação após terem sido identificados dezenas de casos de infeção do novo coronavírus.

A epidemia de Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, foi detetada em dezembro, na China, e já provocou mais de 3.800 mortos.

Cerca de 110 mil pessoas foram infetadas em mais de uma centena de países. Mais de 62 mil recuperaram.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG