Croata condenada a 14 anos de prisão por crimes durante guerra da Bósnia

A ser julgada desde janeiro, foi considerada culpada de crimes contra civis sérvios detidos em abril de 1992 na região da cidade de Derventa, na Bósnia

Uma antiga militar croata, Azra Basic, foi condenada hoje por um tribunal de Sarajevo a 14 anos de prisão por crimes de guerra, a pena mais pesada contra uma mulher por crimes durante o conflito bósnio dos anos 1990.

Azra Basic, 58 anos, foi extraditada para a Bósnia no final de 2016 pelos Estados Unidos, para onde tinha emigrado após o conflito intercomunitário bósnio (1992-95, 100.000 mortos). Tinha sido detida em 2011 a pedido da justiça bósnia.

A ser julgada desde janeiro, foi considerada culpada de crimes contra civis sérvios detidos em abril de 1992 na região da cidade de Derventa (norte).

"Este tribunal condena-vos a 14 anos de prisão", declarou o juiz Sead Djikic, sublinhando "a particular crueldade da acusada" quando cometia crimes.

Azra Basic foi reconhecida culpada de ter matado o detido Blagoje Djuras, espetando-lhe uma faca no pescoço quando ele se encontrava de joelhos e manietado por outros dois detidos, disse o juiz.

Sozinha ou com outros militares, torturou uma dezena de outros detidos, com pontapés, murros, utilizando um bastão de basebol ou desenhando com uma navalha uma cruz na sua pele.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.