China sabia do vírus desde novembro

É uma investigação do jornal de Hong Kong South China Morning Post, com base em dados oficiais. Há relatos de encobrimento das autoridades. Médicos proibidos de falar morreram sem poderem avisar os colegas, diz o jornal.

O primeiro caso conhecido de infeção pelo Covid-19 remonta a 17 de novembro, na província chinesa de Hubei, segundo uma investigação do jornal de Hong Kong South China Morning Post, com base em dados oficiais.

O jornal escreveu que uma pessoa de 55 anos foi o primeiro caso identificado, informação que desafia a versão oficial, que data o surgir da doença em finais de dezembro, em vários casos de contaminação ligados a um mercado de marisco, situado nos subúrbios de Wuhan, a capital de Hubei.

O jornal de Hong Kong cita dados do Governo chinês, que apontam que houve entre uma e cinco infeções por dia até 15 de dezembro. Em 20 de dezembro havia 60 infetados, apurou a mesma fonte.

No entanto, nenhuma das nove primeiras infeções - quatro homens e cinco mulheres - foi identificada como o "paciente zero", segundo os dados citados pelo jornal.

Essas nove pessoas tinham entre 39 e 79 anos de idade, e embora não se saiba quantos eram moradores em Wuhan, foi aí que o surto se alastrou, atingindo, até à data, quase 50.000 infetados e 2.436 mortos.

Segundo o jornal, as autoridades chinesas identificaram pelo menos 381 casos de infeção até 01 de janeiro passado.

No entanto, a Comissão Municipal de Saúde de Wuhan só anunciou o primeiro caso no dia 5 de janeiro, explicando que fora diagnosticado a 12 de dezembro.

Médicos chineses tentaram alertar mas foram silenciados

O Governo chinês também só informou a Organização Mundial de Saúde (OMS) da deteção dos primeiros casos de uma "nova doença misteriosa" em Wuhan em 31 de dezembro.

Segundo a OMS, o primeiro contágio pelo Covid-19 na China ocorreu no dia 8 de dezembro, enquanto a revista médica 'The Lancet' apurou recentemente que a primeira infeção conhecida teria ocorrido no início de dezembro.

Médicos chineses em Wuhan alertaram desde dezembro para os perigos do surto de um novo coronavírus, mas foram silenciados pelas autoridades, que os obrigaram a assumir publicamente esses avisos como "rumores infundados".

"As informações falsas divulgadas por departamentos relevantes [de que a doença era controlável e não era infecciosa entre seres humanos] deixaram no escuro centenas de médicos e enfermeiros, que fizeram tudo ao seu alcance para tratarem pacientes sem conhecerem a doença", apontou o chefe de um dos departamentos do Hospital Central de Wuhan, citado pela revista Caixin, uma das raras publicações independentes na China.

"E mesmo aqueles que adoeceram não puderam denunciar. Não puderam alertar os seus colegas e o público a tempo, apesar do sacrifício", disse. "Essa é a perda e a lição mais dolorosas".

Silêncio, falsificações e controlo

Entre os 4.000 funcionários que trabalhavam no Hospital Central de Wuhan, 230 morreram devido a infeção pelo Covid-19, outros permanecem em estado crítico.

Segundo apurou a Caixin, um funcionário do ministério de Segurança Pública visitou o hospital no dia 12 de janeiro, e ordenou que os formulários sobre doenças infecciosas só pudessem ser preenchidos e os casos reportados após consultas com especialistas a nível municipal e provincial, atrasando o processo de identificação da doença, entretanto designada Covid-19.

Em 13 de janeiro, Wang Wenyong, chefe do gabinete de controlo de doenças infecciosas do distrito de Jianghan, em Wuhan, ligou para o hospital e pediu que fossem alterados relatórios suspeitos de infeção pelo novo coronavírus, arquivados em 10 de janeiro, para que constassem outras doenças nos ficheiros, apurou a mesma publicação.

O surto de Covid-19 já provocou mais de 4.900 mortos, entre mais de 131 mil pessoas infetadas numa centena de países e territórios, a maioria na província chinesa de Hubei.

Entretanto declarado pela OMS como uma pandemia mundial, o surto provocou forte descontentamento popular na China, com as redes sociais do país a encherem-se críticas diretas ao regime e apelos por liberdade de expressão, num fenómeno inédito no país asiático, onde ativistas ou dissidentes são frequentemente condenados por "perturbação da ordem pública" ou "subversão do poder do Estado".

Acompanhe todas as notícias sobre o novo coronavírus aqui.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG