China diz ter "desenvolvido" com sucesso uma vacina contra o covid-19 e vai começar testes em humanos

Uma vacina contra o novo coronavírus foi "desenvolvida" com sucesso, anunciou o Ministério da Defesa chinês. Foram autorizados ensaios clínicos em humanos, mas não é revelado quando é que os testes vão decorrer.

O Ministério da Defesa chinês anunciou, esta terça-feira, que "desenvolveu" com sucesso uma vacina contra o novo coronavírus, noticia a agência EFE. Testes em humanos já foram aprovados, de acordo com um comunicado divulgado pelo Ministério, mas não é revelado quando é que vão começar os ensaios clínicos.

Segundo o comunicado, a vacina foi desenvolvida por uma equipa liderada pelo epidemiologista Chen Wei da Academia Militar de Pesquisa Médica, da Academia Militar de Ciências, refere a agência noticiosa..

A vacina foi desenvolvida tendo em conta "padrões internacionais e regulamentos locais", refere o epidemiologista. Chen Wei afirma mesmo que a vacina está pronta para uma "produção em larga escala, segura e eficaz".

Várias instituições chinesas anunciaram, esta terça-feira, o lançamento de ensaios clínicos em abril de modo a testar a eficácia de várias vacinas que o país está desenvolver contra o SARS-CoV-2 (covid-19).

O Ministério da Educação chinês dá conta de uma vacina baseada em vetores de influenza viral que está a ser testada em animais. Os ensaios clínicos desta vacina deverão começar em abril com a participação das universidades de Pequim, Tsinghua e Xiamen, e de outras instituições, segundo a agência de notícias estatal chinesa Xinhua.

Já o vice-diretor da Comissão Municipal de Saúde de Xangai, Yi Chengdong, afirmou que cientistas chineses desenvolveram uma vacina na plataforma de mRNA que entrará em testes clínicos também em abril, refere a EFE.

Chengdong detalhou que esta vacina foi desenvolvido tendo como base proteínas virais derivadas das proteínas estruturais de um vírus.

Da China também veio a notícia de que três novos produtos usados ​​em testes de diagnóstico para detetar o novo coronavírus foram clinicamente aprovados e aplicados em Xangai. A informação foi divulgada, esta terça-feira, por Zhang Quan, diretor da comissão de ciência e tecnologia da cidade.

O coronavírus responsável pela pandemia da covid-19 infetou mais de 180 000 pessoas, das quais mais de 7 000 morreram e 75 000 recuperaram.

Até o momento, pelo menos 3326 pessoas morreram de covid-19 na China.

O surto começou em dezembro na China - na cidade de Wuhanm na província de Hubei -, que regista a maioria dos casos, e espalhou-se entretanto por mais de 145 países e territórios. Na Europa há mais 67 000 infetados e pelo menos 2 684 mortos, a maioria dos quais em Itália, Espanha e França.

Em Portugal, a Direção-Geral da Saúde (DGS) elevou esta terça-feira o número de casos confirmados de infeção para 448, mais 117 do que na segunda-feira, dia em que se registou a primeira morte no país.

Dos casos confirmados, 242 estão a recuperar em casa e 206 estão internados, 17 dos quais em Unidades de Cuidados Intensivos.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG