Alemanha. Confrontos entre a polícia e moradores em quarentena

Incidente ocorreu em Gottingen, uma das cidades alemãs mais afetadas por novos surtos de covid-19. Polícia diz que vários agentes ficaram feridos

Residentes de um bloco de apartamentos que foi isolado na quinta-feira, na cidade alemã de Gottingen, para conter um surto de covid-19, tentaram furar a barreira e entraram em confronto com a polícia, tendo alguns agentes ficado feridos, anunciou este domingo o comandante da polícia de Gottingen, Uwe Luehrig, citado pela AFP.

O responsável não especificou, no entanto, o número de agentes feridos durante o incidente.

O bloco de apartamentos foi isolado e os seus 700 moradores postos de quarentena, na quinta-feira da semana passada, depois de dois moradores terem testado positivo à covid-19. Na sexta-feira o número de infetados já ascendia a 120.

Este sábado, um grupo dos residentes em quarentena tentou passar as barreiras metálicas e, de acordo com a polícia, foram atiradas pedras, garrafas e ripas de madeira contra os agentes da autoridade.

Gottingen é uma das cidades mais afetadas na Alemanha por novos surtos de covid-19, desde que o país começou a diminuir, em maio, as restrições e o confinamento.

A Alemanha foi, aliás, um dos países mais bem-sucedidos na contenção da pandemia, mas depois de iniciar o desconfinamento já registou novos surtos, incluindo um bastante grave que eclodiu entre os trabalhadores de um matadouro da região de Guetersloh, na zona ocidental do país, onde 1300 dos sete mil trabalhadores ficaram infetados.

O matadouro foi encerrado, bem como todas as escolas e centros de dia para crianças na região.

As autoridades locais acreditam que esse surto estará associado a trabalhadores que foram visitar as respetivas famílias em vários países da Europa de leste, quando os controlos fronteiriços começaram a ser atenuados.

Aquele não foi, no entanto, o único surto em matadouros, quer na Alemanha quer noutros países, como a França, o que acaba por pôr em evidência as condições de precariedade em que vive grande parte destes trabalhadores, que são na maioria imigrantes oriundos de países como a Roménia e a Bulgária, e que estão ali muitas vezes a trabalhar em regime de subcontratação por empresas intermediárias.

Quando iniciou o desconfinamento, em maio, o governo alemão aprovou uma lei para banir, justamente, estes regimes de subcontratação em matadouros, mas pelos vistos, isso ainda está a surtir efeito desejado.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG