Marinha investiga desaparecimento de agulhetas de incêndio a bordo de navio

Guarnição do reabastecedor Bérrio foi proibida de sair na segunda-feira para se perceber o que aconteceu.

É o mais recente caso de desaparecimento de material militar e outra vez na Marinha, com a descoberta de que faltam 14 agulhetas de incêndio a bordo do navio reabastecedor Bérrio, soube o DN.

A informação foi confirmada nesta quarta-feira ao DN pelo porta-voz da Marinha, comandante Pereira da Fonseca, depois de questionado sobre um caso que ocorre poucas semanas após a perda de uma caixa de munições na via pública e de uma farmacêutica ter sido suspensa.

O oficial adiantou estar em curso uma averiguação interna para saber o que se passou.

Além das agulhetas que estão ligadas às mangueiras para combater incêndios, outras estão guardadas em armários como material de reserva do Bérrio - e só nas próximas horas, depois de o navio atracar, é que se poderá saber se o oficial averiguante a bordo conseguiu saber alguma coisa.

Os militares da guarnição do Bérrio ficaram retidos na segunda-feira, tendo o comandante do navio invocado ordens do comandante naval, vice-almirante Gouveia e Melo, para adotar aquele procedimento, de acordo com fontes militares ouvidas pelo DN sob anonimato por não estarem autorizadas a falar.

O comandante Pereira da Fonseca confirmou que a PJ Militar (PJM) foi chamada de imediato para investigar o caso e recolher eventuais provas, o que justificou a retenção dos marinheiros a bordo.

Contudo, verificou-se a impossibilidade de o piquete da PJM ir ao local antes de o navio ser obrigado a zarpar na terça-feira para sair do Alfeite antes de a maré mudar.

O navio concluiu nesta quarta-feira o exercício, tendo fundeado à espera que a maré permita a sua entrada na base naval de Lisboa (Alfeite) quinta-feira.

Pereira da Fonseca garantiu que os marinheiros serão autorizados a desembarcar e gozar as respetivas licenças após a atracagem do navio.

Segundo o regulamento interno das forças e unidades navais, "não pode ser cancelada qualquer saída diária sem a devida autorização do comandante".

Por outro lado, estão autorizados a sair os militares da guarnição que "não se encontrem disciplinarmente impedidos, não estejam nomeados para serviço de escala [ou] não estejam impedidos por outras razões de serviço".

Este novo desaparecimento de material militar em instalações das Forças Armadas surge ano e meio após o furto de armas em Tancos, cuja comissão parlamentar de inquérito ao caso inicia esta quinta-feira os seus trabalhos.

No plano judicial, o processo continua sob investigação e envolve agora um segundo inquérito à operação forjada de recuperação do material por parte da PJM, em outubro passado.

No plano político, o caso levou à demissão do ministro da Defesa Azeredo Lopes e, após a posse de João Gomes Cravinho como sucessor, a do general Rovisco Duarte como chefe do Estado-Maior do Exército.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?