Verão morno lança campanha longa

A saúde e os professores à esquerda e um novo partido a surgir no centro-direita são temas que podem fazer azedar o final de verão e a entrada no ano eleitoral de Costa e Rio. Como papel de cenário, um Orçamento que ninguém quer deixar de aprovar.

Sobra uma semana para a política portuguesa entrar no torpor do verão e Presidente, geringonça e oposição vão a banhos com a temperatura do caldo político regulada para o morno. Não havendo incêndios, a travessia das semanas de agosto será tranquila e o ambiente nos palácios é agora de descompressão. Até final de novembro, quando o OE 2019 subir a plenário para a votação final global, a pressão será a mesma de sempre. É um filme em reposição com o argumento dividido entre a vontade de cumprir a geringonça "até ao horizonte da legislatura" e a estratégia de sempre de BE e PCP, que agora têm pouco mais de um ano para afirmar alguma autonomia estratégica em relação ao governo socialista. É um jogo natural no caminho para um ano eleitoral aos olhos do governo, que conta com nova subida de tom depois de aprovado o OE. Até lá, dizem, será o mesmo de outros anos e de outros Orçamentos.

O DN sabe que o ambiente nas reuniões bilaterais tem sinalizado que o OE 2019, ao contrário do que parecia há semanas, não será um ponto de rutura. "Toda a gente quer aprovar o Orçamento" é uma frase assumida por todos. Na última semana, Jerónimo descomplicou na entrevista DN/TSF e João Oliveira, o líder parlamentar comunista, em entrevista ao Público há dias, deixou dito que, se o PS precisar, o PCP lá estará pronto a repetir a frase de outubro de 2015: "O PS só não forma governo se não quiser."

O PCP continua a ser visto como uma peça estável e previsível da geringonça, por oposição a um Bloco mais agressivo e de palavras e atitudes difíceis de antecipar. Uma fonte familiar com as reuniões bilaterais para negociação do OE conta que tem sido notória a dificuldade dos bloquistas em adotar um tom mais "simpático" nos últimos encontros.

Há vida para lá do OE 2019

No executivo existe a convicção de que os parceiros "foram sensíveis" aos argumentos de António Costa na entrevista ao DN, quando deixou claro que preferia contratar mais funcionários para o Estado, protegendo os serviços, do que seguir o caminho de aumentos salariais em ano de eleições. No regresso, em setembro e antes do Orçamento, é esperado um crescendo de exigências de BE e PCP à roda de temas sem ligação direta ao OE, como a legislação laboral, um pacote que há de estar em debate e votação nos primeiros dias da próxima sessão legislativa.

Das preocupações dos socialistas constam dois temas delicados e de resolução muito pouco óbvia: carreiras dos professores e a lei de bases da saúde, que terá sempre como pano de fundo o estado do SNS e a forma como terá resistido, ou não, às pressões do verão. Quanto aos professores, as fontes contactadas pelo DN defendem que a questão tem de ficar fechada logo em setembro sob pena de inquinar a negociação do OE. Aliás, como alguém lembrava, esse "não é problema que se queira levar para ano de eleições". A chave do enigma estará algures entre 600 e 200 milhões de euros, num ponto a meio caminho entra as contas do governo e as dos sindicatos ao impacto das exigências dos professores.

Santana baralha à direita?

Visto a partir de Belém, o momento serve para anotar algumas lições. António Costa aprovou e rejeitou, no essencial, tudo o que quis no Parlamento - com apoio da esquerda e do PSD quando foi necessário - e o OE 2019, que chegou a estar suspenso em declarações mais ou menos definitivas de Catarina e de Jerónimo, parece a esta altura um dado adquirido. O desanuviar dos discursos é encarado como uma das surpresas de julho, a par da especulação à direita sobre a criação de um novo partido. Se Santana Lopes conseguir cumprir esse velho sonho, chegará o tempo de mais uma mudança radical no sistema político, desta vez à direita. O aumento da competição por votos no centro-direita será um teste de fogo à liderança de Rui Rio, que não pode arriscar ficar com um PSD reduzido à sua base eleitoral mais fiel, sem alargar apoios, o que significaria um resultado entre os 25% e os 29%.

É a economia, estúpido

Nas conversas ao longo da semana, diversas fontes do PS e do governo enunciavam à boca pequena um cenário que assusta quem ousa verbalizá-lo: crise política e eleições antecipadas. Algumas sondagens com o PS à beira da maioria absoluta justificam esses desabafos, quase sempre no mesmo tom: "Se pelo menos houvesse uma forma de ter eleições antes do tempo, sem danos para o partido e empurrando a responsabilidade para um dos parceiros..."

Para lá das sondagens, o tema que torna este cenário mais enunciável nos últimos tempos - não o era até há meses - é o estado da economia. O abrandamento da Europa, com os principais mercados-alvo das exportações a desacelerar e previsões menos otimistas em indicadores como o crescimento, o consumo público e privado ou o investimento deixaram alguns socialistas a pensar no tempo e modo de evitar ir a eleições só em outubro de 2019.

Não será o diabo, mas que há demónios à espreita é uma certeza. Um brexit mal gerido, uma guerra comercial EUA-China ou os turistas a escolherem outros destinos são fatores que o governo, por muito que se esforce, não controla. O que resta de 2018 e o ano de 2019 hão de ser marcados pela incerteza, mas das Finanças tem chegado uma mensagem tranquilizadora para a estratégia de António Costa. Quando o país entrar na reta final da campanha para as legislativas, daqui por um ano, os números que haverá para apresentar em comícios, entrevistas e debates serão os do segundo trimestre e Mário Centeno está convencido de que ainda não terão chegado aos indicadores marcas decisivas de borrasca.

Momentos-chave no que resta de 2018 e do ciclo eleitoral de 2019

2018
. 25/8 - Festa de verão do PS em Caminha
. 31/8 a 2/9 - Fórum Democracia do BE em Leiria
. 3 a 9/9 - Universidade de Verão do PSD em Castelo de Vide
. 6 a 7/9 - Festa do Avante! do PCP no Seixal
. 8/9 - Rentrée do CDS no Porto ou em Vale de Cambra
. 15 outubro - Data limite entrega OE2019 na AR
. 10 e 11/11 - Convenção Nacional do BE
. Final de novembro - Aprovação final global do OE2019

2019
. 26/5 - Eleições Parlamento Europeu
. Setembro/outubro - Eleições Legislativas

. Setembro/outubro - Eleições Regionais Madeira

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.