Premium Lei do silêncio no PSD e no PS sobre suspeitas de corrupção nas autarquias

Três presidentes de câmara arguidos; outros três ex-presidentes também. Quase duas dezenas de autarquias foram alvo de buscas, só do PS e do PSD. O que dizem os partidos? Nada.

As notícias sobre investigações criminais envolvendo autarcas e suspeitas de corrupção vão sendo publicadas regularmente - mas nos últimos dias os esforços da Polícia Judiciária (PJ) e do Ministério Público parecem ter-se intensificado. Na quarta-feira, numa megaoperação, mais de 200 agentes da PJ fizeram buscas em 18 câmaras municipais do norte do país e noutros locais (50 buscas ao todo), na Operação Rota Final (suspeitas de relações promíscuas do poder local com uma empresa do setor dos transportes, a Transdev). Estão em causa suspeitas de corrupção. Dos cinco arguidos, três são ex-presidentes de câmara eleitos pelo PSD (Guarda, Lamego e Armamar).

Dias antes, tinha decorrido a Operação Teia. Desta vez, dos quatro arguidos, dois presidentes de câmara, mas estes do PS: Joaquim Couto (Santo Tirso) e Miguel Costa Gomes (Barcelos). O primeiro já renunciou ao mandato (e aos cargos que tinha no PS); o segundo recusa: embora em prisão domiciliária, Miguel Costa Gomes não suspende o mandato, muito menos renuncia. Nas reuniões do executivo municipal - a próxima está marcada para dia 17 - será substituído pela vice-presidente. Na Operação Teia está em investigação o suposto favorecimento de Joaquim Couto ao grupo de empresas da mulher, Manuela Couto (também arguida) e as influências que moveu nesse sentido junto de conhecidos seus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.