Carla Padrel de Oliveira, reitora da Universidade Aberta, a única instituição de ensino superior pública

Universidade Aberta

EUA querem aprender português. Ensino à distância é a sala de aula

Carla Padrel de Oliveira tomou posse no final de 2019 como reitora da Universidade Aberta, a única instituição de ensino superior pública de ensino à distância. Em entrevista ao DN, a professora conta que há na mira um novo projeto de ensino à distância de língua portuguesa nos EUA.

Já lá vão 32 anos desde que a Universidade Aberta entrou na rede de universidades do país, em 1988, como a primeira e ainda hoje única instituição superior pública de ensino à distância em Portugal. Mas apenas 25 anos desta história pertencem à professora Carla Padrel de Oliveira, que ali deu os primeiros passos no corpo docente em 1995. Em novembro de 2019, foi eleita reitora da Universidade Aberta, numa altura em que os desafios se impõem para uma instituição deste carácter.

Nascida em Luanda, foi em Lisboa que construiu o seu percurso académico, com uma licenciatura em Química, pela Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa, e um doutoramento em Engenharia Química, pelo Imperial College of Science, Technology and Medicine da University of London. Um caminho que a levaria, mais tarde, a integrar o núcleo de professores da Universidade Aberta, longe ainda de imaginar que seria reitora dos mais de sete mil alunos desta instituição.

Já foram mais, admite. "Tivemos bastantes estudantes ali nos anos 2008, 2009 e 2010, na ordem dos dez mil. Depois, baixou, na sequência da crise económica, que nos atingiu bastante. Drasticamente, passámos para um total de seis e sete mil. Agora, estamos ligeiramente acima dos sete mil, fruto de um maior conhecimento da instituição e de uma melhoria da capacidade de compra", conta. É nas licenciaturas que se regista um maior número. E, numa universidade feita para o mundo, ainda que falada em português, é na Europa que eles mais se concentram. Quando entramos no mundo dos mestrados e doutoramentos, "estão espalhados pelo planeta".

Por isso mesmo, e porque os tempos são outros, mais exigentes, os desafios da instituição avizinham-se maiores. Foi alavancado por este princípio que o governo anunciou a criação de uma nova ferramenta que revolucionaria o ensino à distância em Portugal. Mas a reitora desmente a promessa: "O que está previsto não é uma nova plataforma, mas sim uma promoção daquelas que existem." O DN esteve à conversa com o novo rosto por detrás da instituição.

Uns obrigados, outros inspirados pelos filhos

A primeira vez que entrou na Universidade Aberta foi em 1995, para lecionar. Que instituição encontrou nessa altura? Muito diferente do que é hoje?
Uma instituição completamente diferente. E até foi estranho, no início, porque passava o dia a atender o telemóvel. Além disso, tinha de lidar com contextos muitos diferentes, explicar coisas para alunos que me ouvem ou leem a partir de diferentes zonas do país, muito diferentes entre si. As disciplinas que ensinava eram de complemento de formação de professores [atualmente fora da oferta curricular], destinado a professores do 1º, 2º e 3º ciclos. O Ministério da Educação promoveu esta formação obrigatória para que os professores permanecessem no sistema de ensino. Muitos professores estavam quase em fim de carreira e estavam acima de tudo contrariados e sem especial interesse em estudar.

Enquanto docente, era fácil desmotivar-se numa universidade onde os próprios alunos entravam obrigados?
Não, mas motiva-se percebendo-se a importância daquilo que se está a fazer. Porque estamos a falar de professores e todos nós sabemos que um bom professor pode mudar muito as escolhas e carreiras dos alunos e influenciá-los positiva ou negativamente. A motivação chega percebendo e assumindo que aquilo que estamos a fazer vai, de facto, mudar o mundo.

Mas os alunos que agora encontra são diferentes...
Completamente diferentes. Vêm pelo próprio pé, estão muito motivados, porque percebem que a formação superior permite e potencia uma mudança de vida. Ou porque não têm formação superior e a adquirem e dessa forma podem progredir profissionalmente; ou mesmo tendo formação superior, vêm à procura de outras competências ou de áreas que permitam complementar as suas carreiras ou enveredar por outra profissão. São essencialmente estudantes que estão no mercado de trabalho, ao contrário do que acontece nas outras universidades. A idade média do nosso estudante ronda os 40/41 anos. É também curioso verificar que alguns dos nossos estudantes aproveitam que os filhos já se formaram ou estão agora a formar-se para eles próprios também entrarem no ensino superior, inspirados pelos próprios filhos. Há relatos de alturas em em casa ficavam todos a estudar durante o fim de semana: mãe, pai e filhos.

"O ensino à distância exige muita disciplina e, quando [os alunos] entram, têm um grande choque."

Há aqui a ideia de quem chega de que o ensino à distância é mais fácil?
Sim, sim. Entra-se com a perspetiva de que por não terem de ir às aulas é tudo muito mais fácil, estudam quando querem e como querem. Mas o ensino à distância exige muita disciplina e, quando entram, têm um grande choque. Porque apesar de ser tudo online e de haver bastante flexibilidade, têm compromissos para cumprir. E também há aqui um exercício muito difícil, quando as pessoas entram para estudar uma área na qual trabalham há muito tempo...

Já entram com algumas manias...
Ora aí está. Vêm com uma ideia preconcebida, que resulta dos muitos anos de prática que já têm, com muitas certezas. E nem semore é fácil desconstrui-las. Enquanto com outros estamos a construir, com este tipo de alunos temos mesmo de começar por um processo de desconstrução. Ao mesmo tempo, também devem trazer muito conhecimento útil, o que acaba por ser muito gratificante para nós, professores. Assim, conseguimos também aproveitar aquilo que trazem. E todos trazem uma bagagem útil, não só para nós mas também para partilhar com toda a turma.

É inevitável fazer esta questão: na era em que estamos, em que tudo caminha lado a lado com o digital, como é que ainda só há uma instituição de ensino superior pública focada no ensino à distância?
Não, porque lidamos com um público diferente. Trabalhamos em parceria com outras universidades públicas e para trabalharem connosco têm de adquirir ferramentas e competências para o ensino à distância. E o que se verifica é que, por muito que os professores digam que têm todas as plataformas necessárias para isto acontecer, depois reparam que dá muito mais trabalho do que se pensava. E dizem: "Para eu acompanhar o ensino à distância, têm de me aliviar do ensino presencial, senão não consigo." Não estou de forma nenhuma a desvalorizar o ensino presencial, mas há uma noção errada do que é o ensino à distância e do que implica. As plataformas online não são, para nós, um repositório de materiais, mas sim instrumentos de interação.

O governo prometeu, mas faltam meios para cumprir

Neste ano, a instituição surge como parceira de metas do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior para a atual legislatura. Nomeadamente naquela que estabelece a criação de uma plataforma inovadora de ensino à distância a nível nacional, para atrair cerca de 10 mil adultos para o ensino superior e graduar pelo menos 50 mil estudantes até ao final de 2023. Afinal, que plataforma é esta e para quando está prevista?
De facto, só com este governo e só neste ano é que surge o regime jurídico do ensino à distância, que estava por regulamentar. Com este regime jurídico surge esta aposta na capacitação e no aumento de diplomados - devido aos resultados da OCDE, que nos põem abaixo da média (até aos 34 anos não é grave, mas quando olhamos para a faixa do 50 anos as diferenças são abismais). Mas o que está previsto não é uma nova plataforma, mas sim uma promoção daquelas que existem.

Então, ao contrário do que diz o documento, não vai ser criado nada de novo...
Não vamos criar nada de novo, não. Vamos é aproveitar e potenciar aquilo que existe. Neste momento, temos as infraestruturas tecnológicas para o número de alunos que temos. Se pretendemos, e é isso que queremos, aumentar o número de alunos, vamos ter de reforçar esta capacidade.

Acha demasiado ambiciosa a meta do governo?
Não acho demasiado ambiciosas, se forem acompanhadas por um determinado número de medidas.

Nomeadamente...
Deve haver aqui uma efetiva valorização da formação. Isto pode fazer-se de várias maneiras... O que estamos habituados a fazer é ver o Estado a descongelar carreiras e a valorizar a formação, para que as melhorias sejam sentidas. Mas as próprias entidades também têm de ser capazes de trabalhar esta valorização. Tem vindo a ser feito. E aqui também sentimos isso, principalmente na área de aprendizagem ao longo da vida, que alberga todos os cursos de especialização curtos. Já fizemos coisas com a ACT [Autoridade para as Condições do Trabalho], porque saiu uma legislação que obrigava à formação de determinadas competências. As empresas pretendem que os seus trabalhadores precisam de ferramentas para serem valorizados e nós ajudamos a fazer isso.

Mas ainda assim não é suficiente para chegar à meta da tutela?
Não tem sido suficiente, por várias razões. Porque ainda há algum desconhecimento do ensino à distância.

Em parte, também pela falta de regulamentação que se registou durante anos?
Também, mas não só. Porque se calhar a universidade também não se tem projetado. Uma coisa é certa: por falta de regulamentação, sempre fomos obrigados a provar mais do que os outros. Tínhamos de ser competentes do ponto de vista científico, tínhamos de ter todos os docentes doutorados, fazer progressão de carreira, mostrar produção científica e, além disto, fazer muito bem o que fazemos. Portanto, ficamos muito presos a trabalhar muito bem e chegarmos ao fim do dia satisfeitos. Numa avaliação feita pela OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico] há uns anos, disseram-nos não terem a noção de que trabalhávamos tão bem. E, mais recentemente, temos avaliações da Agência que dizem o mesmo: "Não tínhamos ideia de que isto era assim." Ficamos tão presos a isto, que descuramos a projeção, o marketing que é preciso fazer. Muita gente ainda acha que a universidade é privada.

E o próprio governo também esqueceu a missão da universidade...
Houve aqui conjunturas... Não diria que esqueceu. Há prioridades. Mesmo a própria instituição não priorizou a publicitação. Procuramos consolidar-nos, primeiro, para depois o fazer. Por isso, quando me pergunta se os números são ambiciosos, digo que são ambiciosos, mas acho que são possíveis. E nós temos condições para isso. Não é com os 140 docentes, não é apenas com o que temos hoje... Tem de haver aqui alguns apoios.

Há alguns apoios previstos?
Estão várias coisas previstas, como as parcerias com outras instituições. Já tem havido vários contactos, para encontrar aqui área de interesse e de procura, para desenvolver cursos e responder à oferta. E aqui temos de ir buscar o corpo docente destas instituições, porque o nosso não basta, e tem de se garantir uma formação aos mesmos, da mesma forma que nós o fizemos. Em 2006, quando surge um modelo pedagógico na universidade, todos os docentes tiveram de fazer um curso de formação online, para percebermos como se trabalha com o online.

Mas isto não exige mais recursos financeiros?
Sim e isso está previsto ser assumido pelo governo. Até agora, sempre funcionámos sob um modelo de financiamento diferente das outras instituições, por não haver regulamentação para o ensino à distância. Além disso, os nossos alunos são diferentes e não contam com apoio social. Das nossas receitas próprias destinamos uma percentagem para ajudar pessoas com dificuldades, sob a forma de redução de propinas, completa ou parcial. Mas não estamos abrangidos pelo Estatuto de Estudante Internacional, como outras universidades, porque todos os nossos estudantes estrangeiros não têm de se deslocar até cá e, por isso, não faria sentido ter este regime.

Então, faria sentido criar estatutos específicos para os alunos do ensino à distância?
Tem de haver um outro olhar e reforço quando, no próprio regime jurídico, é referido que os custos serão suportados, para os calcular de outra forma. Se o curso é maioritariamente frequentado por estudantes de fora, tudo isto tem de ser olhado de uma outra maneira. Um estudante de um país da CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa] não pode ser olhado da mesma forma como é aquele que vem da China.

A ideia que dá é que a regulamentação do ensino à distância e o facto de fazer parte das metas do governo para a legislatura é ilusório de que este tipo de ensino está em crescimento, porque ainda não houve o investimento necessário. Está ou não está a crescer?
Não, não é ilusório. Acho que está a crescer, mas estes processos não funcionam assim. Não é porque o regime saiu em setembro [de 2018] que já estamos aqui num mar de rosas. Mas é claramente um sinal de mudança. E quando falamos das metas do governo, é importante frisar que é o ensino à distância que integra estas metas e não a Universidade Aberta [apesar de referida no documento]. A instituição só tem aqui um papel de liderança, para agora sim sermos capazes de nos projetar.

Ensino à distância em português chega aos EUA

No seu vídeo de candidatura à reitoria da instituição, disse ser sua "convicção de que o crescimento da Universidade Aberta passa pela capacidade de captar públicos mais diferenciados". Que novos públicos são estes?
Muito mais virados para o profissional, por exemplo. Há um conjunto de pessoas - e aqui penso numa série de grandes empresas que deslocalizam-se dos grandes centros, como a indústria de tecnologias - que precisam de ser capacitadas. Não precisam necessariamente de um grau, mas de as capacitar para coisas diferentes. Como é o caso da GNR, por exemplo. Porque temos formações na área das Ciências do Ambiente e há um setor específico da GNR em que se faz a gestão do meio ambiente, nos parques e espaços verdes.

E como é que se chega a estas pessoas?
Este é que é o desafio. Identificar estes grupos e estas necessidades e ser capazes de negociar um processo de trabalho com eles. Mas isto não pode ser a instituição de ensino superior a chegar junto a um empregador, para dizer "esta é a formação que vocês precisam". São as entidades que têm de aderir a isto. Tem que haver este encontro de vontades. Dou o exemplo do ensino da língua portuguesa: pretende-se, de facto, desenvolver e há um interesse muito grande na língua portuguesa em várias comunidades. É o caso dos EUA. E tem que haver também um trabalho político, através do próprio Ministério dos Negócios Estrangeiros, para a possibilidade de oferecer estas formações. E quando digo oferecer não é oferecer gratuitamente, nem queremos que o ministério suporte custos. É ajudar a promover, porque tem esta ferramenta mais oleada. Porque é que temos de ser nós a fazer este trabalho que já é feito por outros? Por isso, quando falo de apoio, não falo necessariamente de apoios financeiros.

Mas este apoio já está sequer a ser pensado?
Sim, já. Há uma abertura imensa da parte do Ministério dos Negócios Estrangeiros, têm havido várias reuniões de trabalho, com coisas muito concretas em cima da mesa, como a formação da língua portuguesa nas comunidades dos EUA, mas também na CPLP.

No discurso do mesmo vídeo de candidatura, fala também muito do reforço da flexibilidade curricular do ensino à distância. Porque é que é preciso trabalhar mais em ser-se flexível?
Há muita flexibilidade temporal, mas é preciso flexibilizar a questão da oferta. Cada vez mais as pessoas desenvolvem vários percursos profissionais, cá e lá fora. Até porque, não sabendo o que é estudar online, as pessoas vão acumulando módulos [correspondentes a vários cursos], mas chega a uma altura em que precisam de ter um certificado reconhecido pela instituição, mesmo que não tendo feito um percurso linear. Se eu já fiz um conjunto de cursos curtos relacionados com uma área ambiental, tenho de ser capaz de chegar a algum sítio que possa construir um percurso académico a partir dali. Por outro lado, cada vez mais as pessoas querem coisas muito mais de banda larga, ao nível das licenciaturas. Por exemplo, eu quero estudar Ciências do Ambiente, mas quero fazer uma ponte com uma componente social, como educação para a sustentabilidade. Por isso, tenho de ser capaz de criar um curso que permita as pessoas terem várias saídas.

Fala também da capacidade de responder a "um mercado exigente". Que mercado exigente é este? O que exige agora que não exigia antes?
É um mercado muito mais global e que está sempre a mudar. Antes, procurava-se um emprego para a vida e agora não. As pessoas nem sequer querem ouvir falar em empregos para a vida. Mas então significa que cada vez mais temos de estar constantemente a atualizar a nossa formação. Não vamos fazer dez licenciaturas, nem dez mestrados, mas cada vez mais o mercado vai exigir que se tenha diferentes competências.

Qual é que diria que é a sua primeira meta para este mandato?
Nos primeiros seis meses, aumentar o número de estudantes e o conhecimento que as pessoas têm da universidade. E vão ter de andar as duas coisas em paralelo.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG