Restrições ao alojamento local: PS mudou de ideias em cinco dias

A 11 de julho o PS entregou no Parlamento uma proposta que proibia mais de sete alojamentos locais por proprietário. Cinco dias depois faz uma retificação em que a proibição muda de artigo - e passa a aplicar-se apenas às áreas de contenção.

Com apenas cinco dias de diferença, o PS quis e deixou de querer proibir que alguém possa acumular a propriedade de mais de sete alojamentos locais (AL). A versão final da lei já promulgada pelo Presidente da República estabelece que essa limitação se aplicará apenas nas zonas de contenção que vierem a ser definidas pelas autarquias. Uma solução que resulta de uma volte-face do PS e de uma retificação apresentada pelos socialistas à sua própria proposta.

Há um mês, a 11 de julho, o PS avançou com uma extensa proposta de substituição ao projeto de lei sobre alojamento local (AL) que tinha entregado há já um ano na Assembleia da República, e que então provocou polémica até mesmo entre os socialistas, por permitir que uma maioria de condóminos vetasse a abertura de alojamento local no seu prédio. No novo texto, o PS deixa cair esta medida e, entre outras novidades, avança com uma limitação à propriedade de AL, impondo que "o mesmo proprietário apenas pode explorar um máximo de sete estabelecimentos de alojamento local". Uma diferença muito substancial para o que diz atualmente a lei, que impõe como única limitação que um proprietário só pode explorar um máximo de nove apartamentos por edifício - e, mesmo assim, só se representarem mais de 75% da totalidade das frações existentes no imóvel.

Mas a proposta não durou muito. Menos de uma semana depois, a 16 de julho, nas vésperas da votação na especialidade (artigo a artigo) na comissão parlamentar de Ambiente, e dois dias antes de a lei subir a plenário para votação final, o PS entrega um texto de retificação à sua própria proposta. Entre várias alterações de pormenor, há uma que retira a norma "o mesmo proprietário apenas pode explorar um máximo de sete estabelecimentos " do artigo 11.º para o 15.º-A. Uma mudança que faz toda a diferença - este último é o artigo que define que as autarquias passam a poder definir áreas de contenção ao alojamento local, pelo que a limitação à propriedade de AL fica restringida a estas zonas. A formulação, aliás, é clara: "Nas áreas de contenção definidas nos termos deste artigo 15.º-A, o mesmo proprietário apenas pode explorar um máximo de sete estabelecimentos de alojamento local." A restrição deixa de ter carácter geral. Foi a versão que ficou na lei.

Questionado sobre as razões desta alteração, Carlos Pereira, vice-presidente da bancada parlamentar do PS e um dos dois deputados que assinam a proposta, diz que os socialistas foram alterando a sua posição ao longo do debate feito nos últimos meses sobre o alojamento local, e que o resultado final é uma proposta "bastante sensata". Garante que não houve "nenhuma razão em particular" para esta alteração de última hora e que o objetivo passou por "encontrar uma proposta que fosse o mais razoável possível". Carlos Pereira argumenta também que a proposta foi discutida com todos os outros partidos e que foi necessário encontrar uma solução que tivesse a aceitação de uma maioria parlamentar.

Tema fraturante entre os socialistas

Acontece que o diploma do alojamento local foi aprovado pela esquerda, e nem o BE nem o PCP são contra a limitação da propriedade de alojamento local. Já o mesmo não se pode dizer do PS e do governo - o alojamento local tem-se revelado um verdadeiro tema fraturante entre os socialistas, e as divergências em torno desta matéria parecem ter-se estendido da primeira à última hora. No final, e pelo menos neste ponto, ganhou a linha liberal.

No ano passado, o primeiro projeto de lei (apresentado por dois vices da bancada) deixou o governo estupefacto, até porque desconhecia a iniciativa do grupo parlamentar - que, aliás, fez travar a proposta de lei que estava a ser preparada pelo executivo. As ondas de choque não chegaram só ao governo: a própria bancada recebeu com uma chuva de críticas a iniciativa, que permitia aos condóminos vetar a priori a abertura de unidades de alojamento local no seu prédio. António Costa fez saber da sua oposição à medida, Fernando Medina não poupou nas críticas, e chegou a ser noticiada a retirada do projeto de lei, o que não chegou a acontecer.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.