Premium

Vida e Futuro

Glifosato debaixo de fogo. Bruxelas mantém herbicida autorizado até 2022

Apesar das acusações de plágio, a Comissão Europeia garante não existirem dados que ponham em causa a decisão de autorizar o produto. Ambientalistas pedem que o herbicida seja banido, enquanto a indústria continua a garantir que é um composto seguro.

A polémica em torno do glifosato - herbicida classificado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como potencialmente carcinogénico - parece estar cada vez mais longe do fim. Agora, novos dados revelam que os especialistas contratados pela União Europeia (UE) para avaliar o herbicida mais usado no mundo copiaram uma grande quantidade de informação dos relatórios produzidos pela indústria. Uma revelação que reacendeu a discussão, já que foi esse documento que serviu de base à renovação da autorização do composto por mais cinco anos, em 2017, na UE. Contudo, apesar das acusações, a Comissão Europeia decidiu manter o herbicida autorizado até 2022.

É mais um capítulo na novela do glifosato, que nos últimos anos tem sido notícia por diversas vezes, e nunca por boas razões. No ano passado, por exemplo, um tribunal de São Francisco, nos EUA, condenou a Monsanto (comprada pela Bayer), que comercializa o produto, a pagar 290 milhões de dólares (255 milhões de euros) por esconder os perigos do herbicida Roundup (à base de glifosato), que terá estado na origem do cancro desenvolvido por um jardineiro. Uma indemnização posteriormente reduzida, mas que provocou danos elevadíssimos na imagem e nas contas da gigante alemã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.