Covid-19 condiciona fronteiras. Mais de metade do que compramos e vendemos ao exterior é por terra

As fronteiras estão condicionadas à passagem de bens essenciais e a economia está quase parada, sem produção e com as trocas comerciais reduzidas. O que passa por terra de e para Portugal?

De todos os produtos exportados de Portugal, quase dois terços seguem por terra. Grande parte vai para a Europa, onde se encontram os nossos principais compradores, sobretudo Espanha, França e Alemanha. Só estes três países absorvem 41% de todos os bens que atravessam a fronteira terrestre.

Mas também há casos em que os bens seguem por terra até Espanha, de onde são expedidos por mar nos grandes portos de Algeciras, Valência e Barcelona.

Em 2019, Portugal vendeu ao exterior bens no valor de quase 60 mil milhões de euros e, deste montante, quase 60% seguiu por via terrestre. Neste cálculo do DN/Dinheiro Vivo, estão incluídas as saídas por estrada e por ferrovia. No primeiro caso, estamos a falar de um montante de vendas a rondar os 35,7 mil milhões de euros, muito distante dos 564,7 milhões do valor de mercadorias que seguiram por comboio. A França é o país para onde exportamos mais bens por ferrovia.

Para se ter uma ideia do peso da rodovia, por via marítima seguiram 18 mil milhões de euros em bens, cerca de 30% do total vendido ao exterior. Por avião, foram expedidas mercadorias no valor de 3,5 mil milhões de euros.

Esta supremacia terrestre sobre outras vias de transporte de produtos também acontece com as importações, em que mais de metade entra no país por estrada ou por ferrovia. Mas, neste caso, Espanha ganha peso entre os países de origem das nossas importações.

Do país vizinho chega um quarto de todos os bens que compramos ao exterior e que são transportados por via terrestre. E, tal como nas exportações, os países de origem são os mesmos que os de destino da maior parte das vendas ao exterior. Espanha ocupa o primeiro lugar. Para lá seguiram no ano passado mais de 20 mil milhões em vendas, seguindo-se a França (8,3 mil milhões de euros) e a Alemanha (4,2 mil milhões de euros).

Em termos de quantidades, Espanha é o principal destino dos produtos portugueses. No ano passado, vendemos ao país vizinho mais de dez milhões de toneladas de mercadorias por rodovia e 150 mil toneladas por ferrovia, seguindo-se a França e a Alemanha. Mas, nas importações, é a Alemanha que ganha em quantidade, muito por causa da indústria pesada, como os automóveis.

Máquinas, material de transporte e têxteis

Por via terrestre cruzam a fronteira milhares de bens, muitos já para consumo final, outros como partes ou matérias-primas para produção. Por via rodoviária são exportadas mercadorias como máquinas e aparelhos, material de transporte, matérias têxteis, plástico e borracha, só para citar os quatro bens com maior peso nas vendas de Portugal para o exterior.

Mas também têm peso nos bens exportados por via terrestre produtos das indústrias alimentares, bebidas e tabaco e também calçado, uma das indústrias que conheceram um dos aumentos mais significativos nas vendas ao exterior nos últimos anos.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG