Ministro das Finanças acena com crise no SNS sem Orçamento do Estado

João Leão insistiu no reforço do Serviço Nacional de Saúde através de mais verbas e com a contratação de mais profissionais. Discutir a exclusividade no SNS seria "uma distração" em momento de pandemia, afirmou o ministro.

A discussão ainda não tinha começado e já o ministro das Finanças atirava para cima da mesa um dos temas quentes das últimas semanas com a oposição, em concreto o Bloco de Esquerda, acenando com uma crise no Serviço Nacional de Saúde (SNS) sem a aprovação do Orçamento do Estado para 2021 (OE2021).

"A aprovação deste orçamento é fundamental para conseguirmos ter mais meios para a saúde, mais meios financeiros para contratar mais profissionais de saúde", apontou João Leão, sobretudo com a atual crise pandémica.

O titular das Finanças indicou a seguir que "o orçamento global do SNS aumenta em 1,2 mil milhões em 2020 face a 2019, no conjunto das fontes de financiamento (europeias e nacionais) e aumenta cerca de de mais 700 milhões face ao Orçamento Suplementar", frisando que "é um reforço extraordinário fundamental para termos mais meios e mais profissionais para reforçar o SNS e em particular no âmbito do combate à pandemia."

O ministro garantiu que o SNS terá mais profissionais com a "contratação de mais cerca de 4200 profissionais a que acresce mais 250 profissionais para o INEM. No global há um aumento líquido de 4500 profissionais de profissionais para o Serviço Nacional da Saúde", garantiu o governante.

O ministro garantiu que o SNS terá mais profissionais com a "contratação de mais cerca de 4200 profissionais a que acresce mais 250 profissionais para o INEM. No global há um aumento líquido de 4500 profissionais de profissionais para o Serviço Nacional da Saúde", garantiu o governante.

Exclusividade fica para mais tarde

O tema foi novamente levantado pela deputada do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, questionando o valor do número de médicos no SNS e a recusa do Governo em avançar com um regime de exclusividade facultativa entre os profissionais do SNS.

"Sobre a dedicação plena ao SNS, mostrámos disponibilidade com o BE para desenvolver no próximo ano essa discussão e também me parece que foi de entendimento mútuo que não era o momento apropriado para fazer a discussão", respondeu o ministro, justificando com a pandemia e que levantar agora a questão criaria "distrações nesta fase e penso que foi partilhada essa perceção e que essa discussão deveria ser tida durante o próximo ano, num contexto em que a pandemia estivesse mais controlada", frisou.

"Ficámos a saber que há disponibilidade, mas não é o momento", atirou a deputada bloquista, lembrando que essa disponibilidade já existia para 2020, mas que não foi concretizada.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG