Messi. Todos os caminhos vão dar ao City, mas há quem aposte no reencontro com Ronaldo

São para já cinco os clubes interessados em contratar o argentino e com dinheiro para isso. Investimento pode ser astronómico e chegar aos 500 milhões de euros. Ele quer sair a custo zero, mas os catalães vão exigir-lhe 223 milhões de euros.

Quanto vale o seis vezes melhor jogador do mundo e para onde pode ele ir jogar? Messi acionou a "cláusula de fuga" prevista no contrato com o Barcelona e já chovem propostas para o argentino, mas poucos têm capacidade financeira para investir na sua aquisição. Mesmo que saia a custo zero, contratar o argentino não é para todos. Messi recebe cerca de 71 milhões de euros brutos por temporada (15% em direitos de imagem) e segundo o site Football Leaks, que em 2018 revelou o contrato do jogador, o extremo receberia um bónus de 70 milhões de euros caso cumprisse o contrato até ao fim. Verba essa que o futuro clube terá de assumir.

Com contrato até junho de 2021 e uma cláusula de rescisão de 700 milhões de euros, segundo a imprensa espanhola e argentina, os catalães admitem libertar o jogador por 223 milhões de euros, embora o valor real de mercado, segundo o Transfermarket seja de 112 milhões de euros. Ele quer sair a custo zero e assim seduzir mais clubes, que à partida não quererão comprar uma guerra com o Barcelona e desembolsar mais de 200 milhões de euros à cabeça. Um valor que pode ser aplicado num contrato de três anos, por exemplo...

Para já, são cinco os emblemas na linha da frente e que já terão manifestado interesse no astro argentino, alguns deles muito antes de sonharem que ele ia rescindir unilateralmente: o Manchester City (Inglaterra), o Manchester United (Inglaterra), o PSG (França), o Inter (Itália) e a Juventus (Itália).

O City de Guardiola tem sido associado ao camisola 10 blaugrana desde que o técnico catalão assumiu o comando da equipa de Manchester. Segundo a imprensa inglesa, os donos dos citizens sonham há muito com esse reencontro e até terão sido aconselhados, a certa altura, pelo próprio técnico a abandonar esse sonho. Agora tudo mudou. Assim que se soube que La Pulga tinha comunicado a intenção de deixar Camp Nou que o City apareceu na linha da frente entre os principais interessados. Segundo alguma Imprensa espanhola, o treinador e o jogador já conversaram sobre uma possível ida para Manchester.

As redes sociais do City têm estado muito ativas e com publicações que remetem para o assunto do momento. Primeiro publicaram uma fotografia de Guardiola a bater palmas e sem qualquer declaração e depois prometeram um reforço que "não é deste mundo", ilustrando o comentário com um emoji de uma cabra, que em inglês é GOAT (sigla utilizada para definir o melhor de sempre - greatest of all time). Todos associaram o anúncio ao extraterrestre Messi. A publicação foi partilhada por milhares de pessoas... Antes de o clube anunciar que afinal se tratava de Full Guys, o boneco do jogo online da moda.

Manobras de marketing à parte, o emblema inglês detido pelo City Group, com sede nos Emirados Árabes Unidos, já se terá chegado à frente com uma oferta. Sem problemas de dinheiro, o grupo liderado por Mansour bin Zayed bin Sultan al-Nahyan, com uma fortuna avaliada em um trilião de euros, já estuda uma oferta para Messi que inclui três anos de contrato em Manchester e mais dois anos em Nova Iorque, para que ele encerre a carreira na MLS. Já o melhor do mundo só terá feito uma exigência: que Guardiola fique nos citizens.

Já o PSG de Nasser al-Khelaïfi sempre ambicionou chegar ao topo e contratar os melhores do mundo com ajuda dos petrodólares do Qatar e do fundo de investimento estatal Qatar Investment Authority, avaliado em mais de 300 biliões de euros. Sem conseguir chegar a Ronaldo, apesar das boas relações de Nasser com Jorge Mendes, e a Messi, os franceses atacaram Neymar (então no Barcelona), mas o brasileiro não teve o retorno desportivo-financeiro desejado e poderá dar-se o caso de haver uma troca de craques, aproveitando o interesse catalão em recontratar Neymar. Manter o brasileiro e fazer uma frente de ataque mortífera com Messi e Mbappé é a outra opção, resta saber se realizável.

"Acho que não é, de todo, um sonho proibido"

O Inter de Milão foi o clube que se atreveu a sonhar com a contratação de Messi. O interesse já vem de 2016, muito antes de imaginar que ele ia roer o cordão umbilical com o clube que o acolheu em 2000, então com 13 anos. Os nerazzurri têm agora o investimento chinês como aliado. Zhan Jindong, chefe do Grupo Suning Holding e com uma fortuna avaliada em cerca de dez biliões de euros, comprou o Inter em 2018 e, segundo a imprensa italiana, contará com o apoio do governo de Xi Jinping para concretizar o desejo de contratar o melhor do mundo.

Quando noticiou que o jogador tinha uma "cláusula de fuga" e podia sair a custo zero, o jornal italiano Gazzetta dello Sport reportou que o clube de Milão estava disposto a oferecer 260 milhões de euros por quatro épocas - 65 milhões por época, mais do que o valor do salário de CR7 na Juve - para convencer Messi a abandonar o Barcelona.

Para compor o cenário, o pai do jogador comprou entretanto casa em Milão e o antigo presidente do Inter deu um empurrão. "Acho que não é, de todo, um sonho proibido. Talvez nem sequer o fosse antes desta desgraça [pandemia]. O Messi está no final do seu contrato e, sem dúvida, seria um esforço tremendo do clube trazê-lo para cá. Não sei se o contexto atual vai mudar para melhor ou pior, mas acho que veremos coisas estranhas no final do ano", admitiu o ex-presidente do Inter, Massimo Moratti, em abril.

Árabes, cataris e chineses estão na linha da frente pela aquisição de Messi, mas é preciso não esquecer a família Glazer (dona do Manchester United) e os seus 4,7 biliões de euros, e a família Agnelli (dona da Juventus), com os seus dez biliões de euros.

Os red devils nunca conseguiram encontrar um substituto à altura de Ronaldo, que em 2009 saiu para o Real Madrid, e podem agora seduzir Messi. Mas também a vecchia signora pode piscar o olho à pulga argentina e juntá-la a CR7 naquela que seria a dupla mais premiada da história do futebol. Quando se falou nessa possibilidade, em fevereiro, as redes sociais vieram abaixo e os memes são mais do que muitos.

Quem dá mais?

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG