Presidente da FP de Atletismo: "Não comprámos nenhum atleta, nem o fomos buscar"

O ouro conquistado por Nelson Évora nos Europeus de Berlim foi também marcado pelas suas declarações sobre os "naturalizados", e a ironia do visado, o luso-cubano Pablo Pichardo, nas redes sociais a propósito desta conquista

Nélson Évora conquistou a medalha de ouro nos Europeus de Ar Livre em Berlim, a única que lhe faltava em grandes competições com um salto de 17,10, depois de já o ter feito em Jogos Olímpicos, Mundiais de Ar Livre e Pista Coberta, e Europeus de Pista Coberta. O momento da celebração fez-se de palavras de satisfação, mas também de recados por parte do atleta, que viu recentemente o luso-cubano Pablo Pichardo bater o seu recorde nacional em maio passado no meeting de Doha com um salto de 17,95.

"É importante mudar a mentalidade, fazer os atletas acreditarem que, com trabalho, podem chegar longe. Não passa por comprar atletas, naturalizar atletas... Isso é ridículo!"

O desabafo do atleta não foi inocente, numa clara referência ao cubano, que desertou do seu país e em abril de 2017 assinou pelo Benfica. Também Pichardo não deixou passar em claro a conquista do seu agora compatriota e, num tom irónico, escreveu na rede social Instagram: "Sem a minha presença é fácil. Campeãoooo".

O próprio relato da prova em que participava Nélson Évora feito pela RTP, na voz do experiente Luís Lopes, acabou por acontecer com muitas críticas à naturalização de Pichardo, que ocorreu em apenas oito meses . Facto que valeu um comunicado por parte do Benfica a acusar a RTP de "falta de isenção" e "xenofobia".

Em declarações ao DN, o presidente da Federação Portuguesa de Atletismo, Jorge Vieira, negou perentoriamente que tenha sido o organismo a ir buscar o atleta para o naturalizar: "A Federação não comprou nenhum atleta, não fomos nós que o fomos buscar. Há Federações que o fazem, compram atletas, esse não é o nosso caso."

Na verdade, o processo foi conduzido pelo Benfica e concluído oito meses após a sua chegada, apoiando-se na lei que permite a naturalização com base nos elevados serviços que o cidadão possa prestar ao país.

Pablo Pichardo chegou a estar pré-inscrito para participar nestes Europeus de Berlim como português, mas a Federação Internacional de Atletismo (IAAF) não autorizou que tal acontecesse, como tem feito com outros casos.

Jorge Vieira considera que a partir do momento que o atleta "está naturalizado, pode representar o país" e acredita que isso acontecerá no futuro, assim que a IAAF descongelar a utilização de recentes naturalizados. Porém, para já, trata de lamentar a publicação irónica do cubano a propósito do título de Nélson Évora, e deixa-lhe um conselho.

"Quanto às picardias? Dispenso-as completamente. Fiquei desgostoso. Só pode acontecer por parte de um atleta que não conhece a nossa cultura. A opinião é livre mas há limites e ele vai ter de perceber isso."

O presidente da Federação faz ainda um aviso à navegação: "Temos uma seleção feita de harmonia e amizade, atletas que aqui esquecem os clubes que representam. Eu não gostaria que num futuro breve exista uma seleção desequilibrada".

Os "famosos" naturalizados

A questão dos naturalizados no atletismo não é algo novo no nosso país. Algumas das principais referências em Portugal são atletas que enfrentaram este processo de cidadania, porém de forma totalmente diferente e sem a mesma rapidez de Pablo Pichardo.

Naide Gomes
A antiga atleta do salto em comprimento e pentatlo, nasceu em São Tomé e Príncipe e veio viver para Portugal com 11 anos. A sua participação nos Jogos Olímpicos de Sidney 2000 ainda foi feita como são tomense, devido a um processo moroso de naturalização que só seria concluído no ano seguinte. Por Portugal, a atleta conquistou várias medalhas em Europeus e Mundiais, o que lhe valeu a condecoração de Oficial da Ordem do Infante D. Henriques

Francis Obikwelu
O nigeriano chegou a Portugal com apenas 15 anos em 1994 para participar nos Mundial de Juniores onde correu os 400m e as duas provas de estafeta (4x100m e 4x400m) ao serviço do seu país.

Após o final da competição, tomou a decisão, juntamente com mais dois colegas, de ficar em Portugal. Após alguns momentos difíceis, voltou ao atletismo através do Belenenses e, mais tarde, Sporting, clube com o qual criou uma ligação muito forte. Nos anos seguintes correu pela Nigéria tornando-se um velocista de classe mundial nas provas de 100 e 200 metros. Contudo, após os Jogos Olímpicos de Sidney 2000, uma lesão afastou-o das pistas e fê-lo sentir-se abandonado pelo seu país de origem.

Decide então naturalizar-se português, processo que fica concluído em 2001. Por Portugal, conquista quatro medalhas de ouro e uma de prata em Europeus e uma medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Atenas 2004.

Nelson Évora
Um dos atletas mais consagrados do atletismo português de sempre é filho de mãe costa-marfinense e pai cabo-verdiano. Nascido em Abidjan, veio para Portugal com o seu pai quando tinha apenas cinco anos. Por ironia do destino, a família Évora fixou-se em Odivelas, no prédio onde vivia João Ganço, antigo recordista nacional de salto em altura e primeiro português a passar os dois metros.

O vizinho passou a treinador um dia e foi fazendo crescer Nelson Évora em talento e tamanho. De competição em competição, o atleta do triplo salto decidiu aos 18 anos naturalizar-se português por considerar que este era o país que lhe tinha dado tudo. Haveria de retribuir mais tarde através do triplo salto com inúmeras medalhas, sendo a mais importante de todas o ouro conquistado nos Jogos Olímpicos de Pequim em 2008.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.