Pichardo estabelece novo recorde nacional do triplo salto

Atleta do Benfica saltou 17,95 metros no meeting de Doha, que abre a Liga Diamante, superando a anterior marca que pertencia a Nélson Évora. Presidente da federação garante ao DN que é mesmo recorde nacional...

Pedro Pablo Pichardo venceu a prova no Qatar, derrotando o campeão olímpico Christian Taylor e saltando 21 centímetros mais longe do que a melhor marca nacional do triplo salto, os 17,74 metros que Nelson Évora fixou como recorde português em Osaka 2007.

No meeting de Doha, no Qatar, o atleta de origem cubana, que em dezembro se naturalizou português, saltou 17,95 metros ao terceiro ensaio, o que constitui a melhor marca mundial do ano. Nelson Évora, que também competiu no meeting de abertura da Liga Diamante, saltou 17,04 metros e ficou em quarto lugar.

Para Jorge Vieira, presidente da Federação Portuguesa de Atletismo, não há qualquer dúvida, trata-se mesmo de um novo recorde nacional apesar de o atleta ainda não poder representar a seleção nacional.

"Não há dúvidas de que se trata de um novo recorde nacional, só terá agora que cumprir a questão do controlo antidoping. É um cidadão português, por isso o recorde será reconhecido, outra coisa é ele ainda não poder representar a seleção devido aos critérios da IAAF", explicou Jorge Vieira ao DN, para depois acrescentar que ainda está em cima da mesa a possibilidade de Pichardo representar Portugal nos Jogos de Tóquio em 2020.

"Essa questão ainda está em aberto, para o Mundial está afastada a possibilidade de ele poder competir por Portugal, mas para os Jogos Olímpicos não é uma questão fechada", salientou Jorge Vieira.

A finalizar, o presidente da federação esclarece que o organismo que lidera recebeu informações por parte da IAAF: "Surgiram naturalizações praticamente compradas por outras federações, foram as próprias federações a ir ao mercado e a IAAF fez saber a todas as federações essa situação. Mas neste caso não é disso que se trata. Não foi a federação que convidou o atleta a ser português, o atleta conseguiu a naturalização através das leis portuguesas. Não sentimos o mínimo incómodo com isso."

A finalizar Jorge Vieira que o facto de Pichardo não representar Portugal nada tem a ver com alguma divergência a com a federação cubana. "Cumprimos todos os preceitos, a federação cubana foi informada e questionada se se opunha. Não havendo resposta entende-se que foi um assentimento, isso está previsto nos regulamentos."

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.