Porque foi chumbado o projeto para acabar com as corridas de toiros?

De João Soares a Elísio Summavielle ou Vera Jardim, dos mais jovens aos mais velhos, mais ou menos aficionados, todos defendem a liberdade de escolha cultural

O projeto apoiado pelo PAN, PEV e BE para pôr fim às corridas de toiros em Portugal foi chumbado hoje com uma esmagadora de votos contra, no Parlamento. Em causa está a "defesa da cultura e da liberdade de escolha", explicam algumas figuras relevantes.

O chumbo é justificado pela tradição enraizada em todo o país de um espetáculo que tem uma forte marca identitária portuguesa - na exclusiva presença dos forcados, por exemplo. Por um Portugal "que não se renda à uniformização cultural do país" e saiba defender os seus "valores culturais" e acima de tudo a liberdade dos portugueses, o projeto anti-taurino ficou pelo caminho.

Veja aqui os argumentos em defesa das corridas.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.