Surto de covid na Casa do Artista de Lisboa já fez três vítimas

As atrizes Adelaide João e Cecília de Guimarães e a cantora Maria Andrea Gaspar foram vítimas do surto de covid-19 na Casa do Artista, onde residem 70 pessoas e dez estão infetadas.

Na segunda-feira Cecília de Guimarães, de 93 anos, atriz residente na Casa do Artista, morreu vítima de covid-19. Dois dias depois mais duas vítimas: a atriz Adelaide João, de 99 anos, e a cantora Maria Andrea Gaspar, de 93 anos. O surto de covid-19 na Casa do Artista de Lisboa tem, até ao momento, dez pessoas infetadas. Mas, de acordo com Fábio Sousa, presidente da Junta de Freguesia de Carnide - onde está localizada a instituição -, "a situação está controlada" e "é do conhecimento da delegada de saúde, que está a acompanhar a situação". O autarca disse ainda que, neste momento, vivem na residência 70 pessoas.

Fonte da Casa do Artista corroborou a informação do autarca à agência Lusa, acrescentando desconhecer se, devido ao número de infetados, se pode falar de "um surto" na instituição."Em janeiro fomos confrontados com alguns testes positivos à covid-19, uma situação que não escondemos. Tanto assim que referimos logo a situação num comentário que colocámos a nossa página na rede social Facebook", frisou a fonte. Um dos residentes da instituição, o ator Ruy de Carvalho, disse ser "uma tristeza muito grande o que está a acontecer". "Estamos a ir todos embora", disse à TSF. Na sua página de Facebook, o ator, de 93 anos, prestou homenagem a Adelaide João. "Estou muito triste, estão a partir colegas que eu muito estimava e com quem trabalhei muito", lamenta o ator. "É uma saudade grande que fica, uma perda para o teatro português".

"Uma tristeza muito grande o que está a acontecer . Estamos a ir todos embora", lamenta Ruy de Carvalho.



O ator António Cordeiro, que sofria de paralisia supranuclear progressiva e morreu no sábado, também tinha sido referido como infetado pelo novo coronavírus. A fonte da Casa do Artista desmentiu à Lusa que o ator alguma vez tivesse estado infetado com covid-19, sublinhando que as causas da morte se deveram a complicações relacionadas com a doença de que padecia.


Do teatro para a televisão

Uma das vítimas do surto foi Adelaide João, nome artístico de Maria da Glória Pereira Silva, nasceu em Lisboa em 27 de julho de 1921 que começou como atriz amadora no grupo de teatro da Philips. A intérprete iniciou-se no pela mão do pai do ator Morais e Castro e foi buscar o nome profissional aos dois primeiros nomes da mãe e do pai. Estudou no Conservatório Nacional e, em 1961, partiu para Paris para estudar teatro, com uma bolsa de estudo, tendo trabalhado com várias companhias francesas já que obteve a carteira de atriz profissional naquele país. Chegou a trabalhar numa companhia de teatro que era dirigida por Ingrid Bergman, como disse em declarações à RTP.


Em 1965, Adelaide João regressa de vez a Portugal, voltando também para a televisão e integrando a Companhia do Teatro Estúdio de Lisboa. Nos anos seguintes, integrou diversas companhias teatro. O seu trabalho na televisão repartiu-se por séries, telenovelas, telefilmes e teatro televisivo. Tendo integrado o elenco de telenovelas como Vila Faia (1982), Origens (1983), Chuva na Areia (1985), Palavras Cruzadas (1987). Em 2007 recebeu o Prémio Sophia pela sua carreira.

Outra das mortes por covid-19 foi Cecília de Guimarães, que faleceu no Hospital de Santa Maria, na segunda-feira. A atriz nasceu em Lisboa, em de 28 de maio de 1927, fez o curso do Conservatório Nacional e estreou-se com A Qualquer Hora o Diabo Vem, de Pedro Bom, no Teatro da Rua da Fé (1951). Intérprete de dramaturgos como Tennessee Williams, Shakespeare, Tchekhov e Lorca , Cecília de Guimarães somou uma carreira de mais de 70 anos, que também passou pelo cinema e pela televisão. Na década de 1950, foi convidada por António Lopes Ribeiro para participar no filme O Primo Basílio, com o qual foi distinguida com o prémio para Melhor Atriz, pelo Secretariado Nacional de Informação (SNI). Participou em filmes e fez algumas telenovelas, telefilmes e várias séries, como A Mala de Cartão (1988) e A Morgadinha dos Canaviais (1990), Filhos do Vento (1997), Casa da Saudade (2000), entre outros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG