Visita guiada por Monica Bellucci ao Museu de Arte Antiga

O MNAA convidou a atriz italiana a fazer o roteiro de agosto. Estas são as 12 peças que ela escolheu

A Adoração dos Magos, de Sequeira, e Presépio das Necessidades são duas das peças que Monica Bellucci destaca da extensa exposição do Museu Nacional de Arte Antiga, (MNAA), nas Janelas Verdes, em Lisboa.

A atriz italiana, que em 2016 comprou casa em Lisboa, é a convidada de agosto do programa do programa "MNAA 12 escolhas", depois de nos meses anteriores as escolhas terem sido da responsabilidade do Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa (maio), o príncipe Amyn Aga Khan (junho) e o empresário André Jordan (julho). O programa tem a duração de 12 meses e o museu garante que os convidados têm "inteira liberdade" para escolher as peças do seu roteiro.

No desdobrável que está a partir de sábado para os visitantes do museu, Monica Bellucci explica assim a sua seleção: "As peças que escolhi encarnam, simbolicamente, a herança Clássica à qual pertenço e os meus ideais de convivência e de aprofundamento de relações com todos os seres vivos aqui representados pelo amor maternal, pela introspeção espiritual, pela partilha, diálogo, beleza natural... e não poderia ter deixado de lado os notáveis azulejos, símbolo do meu caro amor por Portugal e pela sua cultura."

Estas são as 12 peças escolhidas (veja-as na galeria em cima):

1 - Adoração dos Magos, de Domingos António Sequeira, óleo sobre tela, Portugal, 1826 (Sala 3)

2 - Aquamanil, autor desconhecido, faiança portuguesa com decoração a azul e amarelo, segundo quartel do século XVII (Sala 20)

3 - Presépio do Convento de Nossa Senhora das Necessidades, de clérigo desconhecido de Setúbal, presépio em barro, cortiça e madeira, Lisboa, 1775-1800 (Sala dos Presépios)

4 - Painel de Azulejos, Alfiz, Síria, Damasco, 1570-1580 (Sala 20)

5 - Virgem com o Menino, de Faustino José Rodrigues, peças em barro, Portugal, 1783 (Sala dos Presépios)

6 - Centro de Mesa, de Thomas Germain e François-Thomas Germain, peças em prata, Paris, França, 1729-1731 (Sala 69)

7 - Batismo de Cristo, autor desconhecido, Bruxelas, tapeçaria, primeiro quartel do século XVI(Sala 64)

8 - Conversação, de Pieter de Hooch, óleo sobre tela, Holanda, 1663-1665 (Sala 54)

9 - Tapete com árvores e animais, autor desconhecido, tapeçaria em pelo de lã, Irão, segunda metade do século XVI (Sala 49)

10 - Coroação da Virgem, de Domingos António de Sequeira, óleo sobre tela, Portugal, 1830 (Sala 1)

11 - Arcanjo São Miguel, atribuído a João Afonso, estátua em pedra de calcário, Portugal, século XV (Sala 1)

12 - Julgamento Final, de Mestre de 1549, óleo sobre madeira, Portugal (Sala 9)

Leia a entrevista que a atriz deu ao DN em 2016 quando visitou Lisboa e participou no Lisbon and Estoril Film Festival:

Estão previstas duas visitas guiadas ao roteiro de Monica Bellucci nos dias 30 de agosto, às 15:30, e 2 de setembro, às 11:30.

Museu Nacional de Arte Antiga
Rua das Janelas Verdes, Lisboa
Aberto de terça a domingo, das 10:00 às 18:00
Bilhete normal: 6 euros (há uma tabela de descontos)

Ler mais

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.