Museu de Arte Antiga ganha um Sequeira, comprado por muitos para usufruto de todos

Três dias antes do fim do prazo, o MNAA conseguiu os 600 mil euros necessários para conseguir adquirir o quadro "A Adoração dos Magos" do pintor Domingos Sequeira. Será a estrela do dia dos museus, 21 de maio.

Clara de Sousa, dos serviços administrativos do Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), foi a primeira a ver que a conta bancária tinha ultrapassado os 600 mil euros - os números que permitem à instituição adquirir o quadro A Adoração dos Magos, de Domingos Sequeira, cumprindo o que se propuseram quando há seis meses lançaram a campanha de angariação de fundos.

"Escola de cidadania", afirmou António Filipe Pimentel, diretor do MNAA sobre este movimento, hoje à tarde no MNAA, em conferência de imprensa para anunciar que o quadro ficará exposto até sábado, dia em que oficialmente terminava a campanha, será agora alvo de uma pequena intervenção de conservação e poderá ser visto de novo no Dia dos Museus, 21 de maio - o dia da festa. "Vamos tirar uma fotografia no Jardim do Museu com todas as pessoas que contribuíram em dinheiro e em espírito para a campanha".

Com a abertura do renovado terceiro piso, nos primeiros dias de julho, o quadro passa a fazer parte da exposição permanente. O Presidente da República estará presente.

Marcelo Rebelo de Sousa visitou o museu a 6 de abril como Chefe de Estado e contribuiu a título privado com 150 euros. "O Presidente da República deu a exemplaridade do seu gesto", notou António Filipe Pimentel. "Deu aquilo que qualquer pessoa pode dar, com a preocupação de não ofender". Na ocasião, Marcelo afirmou ter ponderado sobre a quantia a dar e que "existiam outras maneiras de contribuir". Ontem, logo que a notícia se soube, telefonou ao diretor felicitando-o.
Foram seis meses de campanha (e um ano de preparação), iniciados a 27 de outubro e com mais trabalho a partir do inicio do ano, segundo António Filipe Pimentel. "Esta campanha encostou a consciência das pessoas à parede". O diretor do museu diz que "era ponto de honra que o Estado não entrasse". "Era um espaço de cidadania". "Cinco euros que fossem desautorizaria a campanha", diz o diretor, acrescentando: "Somos todos mecenas".
Os últimos contributos vieram da Fundação Belmiro de Azevedo, com 10 mil euros, e 35 mil da Fundação Casa de Bragança (presidida por Marcelo Rebelo de Sousa até à eleição para o cargo de Presidente da República). Estes últimos perfizeram e ultrapassaram a quantia necessária para a aquisição da tela, um retângulo pintado a óleo com 100 x 140 centímetros, que Domingos Sequeira pintou em Roma.

Esta campanha de crowdfunding é uma parceria do museu, do jornal Público, da Fuel e dos Amigos do MNAA, que são os proprietários legais do quadro e farão uma doação da tela ao museu. A associação fez 104 anos ontem e assinalou-os com a entrega do seu contributo monetário, 5 mil euros.

Ao todo, a conta bancária "Vamos Pôr o Sequeira no Lugar Certo" tem hoje perto de 622 mil euros. Falta contabilizar 30 mil pixéis de reservas que foram feitas, mas que ainda só está no saldo contabilístico. As contas finais serão auditadas e divulgadas.

O remanescente,assegura António Filipe Pimentel, será usado, "como prevê o regulamento, na aquisição de uma obra para o museu que se considere relevante". "Nem que seja um euro", afirma.
O diretor do museu quer replicar o estilo da campanha para a aquisição de novas obras, mas não já. "Temos de esperar pela obra lógica para voltar a esta campanha", sublinhou.

O museu reúne o maior acervo de obras de Domingos Sequeira: 45 pinturas, "nem todas acabadas", segundo o diretor-adjunto do museu, José Alberto Seabra de Carvalho, e cerca de 760 desenhos.

O ministro da Cultura também esteve na conferência de imprensa. "Ganhámos hoje um Sequeira", disse Luís Filipe Castro Mendes, salientando a existência de "uma sociedade muito mais madura". "É preciso dar-lhe os estímulos certos". "Dar corpo a estes movimentos de participação dos cidadãos é uma das linhas de força que este Governo tem procurado", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.